Rua Camargo Paes, um pedacinho do Japão em Campinas

A história da imigração japonesa no Brasil tem início em 1908, quando o navio Kasatu Maru atracou no Porto de Santos trazendo centenas de japoneses que vinham em busca de novas oportunidades. E com o passar dos anos, inúmeros outros navios trazendo mais e mais imigrantes ajudaram a fazer do Brasil, o país no mundo com mais japoneses fora do Japão. E muitos desses japoneses escolheram Campinas como novo lar.

O que pouca gente sabe, é que um pequeno trecho da Rua Camargo Paes no Jardim Guanabara, bairro da região central de Campinas, se tornou referência para a comunidade nipo brasileira na cidade, justamente por sediar a Instituto Nipo Brasileiro de Campinas.

Visão da Rua Camargo Paes
  • Breve história da imigração japonesa em Campinas

Segundo pesquisas, Takeji Morita foi o primeiro imigrante japonês a chegar em Campinas, ainda no início do século XX. Vindo da região de Kagoshima, ele era marceneiro e trabalhou nas Companhias Sorocabana e Paulista de Estradas de Ferro e também na Fazenda Monte D’Este. Fruto da sua união com Tamayo Sakamoto, o filho do casal Sancho Morita, foi o primeiro filho de japoneses registrado na cidade.

Já a historiadora Maria Katsuko Takahara Kobayashi, em seu livro “A Comunidade Japonesa de Campinas”, mostra que a imigração japonesa na região foi marcada por quatro grupos:

– 1°: Um grupo de 56 pessoas oriundo de Okinawa e que se instalaram em Campinas em 1918 para trabalhar na lavoura, mais especificamente na Fazenda Itaoca, na divisa com Indaiatuba;

– 2°: Um grupo que se instalou na Fazenda Monte D’Este, que passaria a se tornar Fazenda Tozan;

– 3°: Um grupo de comerciantes que iniciaram pequenos negócios na cidade, como é o caso de Ijiro Aoki, dono da Fábrica de Balas Aoki e considerado o primeiro empresário japonês de Campinas;

– 4°: E por fim, o grupo dos lavradores que vieram trabalhar nas lavouras da região, principalmente na Fazenda Chapadão.

  • Atrativos da Rua Camargo Paes:

  • Luminárias

Há alguns anos, um trecho da Camargo Paes, entre as Ruas Barbosa da Cunha e Eng. Cândido Gomide, ganhou algumas típicas luminárias japonesas que dão charme a região e ajuda a preservar as tradições da comunidade.

  • Torii

Também na esquina da Rua Camargo Paes com a Eng. Cândido Gomide fica esse tradicional portal japonês, que ultimamente anda escondido pelas árvores da praça =(

  • Praça Professor Hideyo Nougouchi

Essa arborizada praça presta homenagem ao professor e médico japonês Hideyo Nougouchi (1876-1928), responsável pela descoberta do agente patógeneo da sífilis em 1911 e que esteve em Campinas na década de 1920. Além de dar nome a praça, há também um busto em sua homenagem.

A banca de revistas Itamarati e o quiosque Guanabara ficam localizados na praça, de frente para a Rua Eng. Cândido Gomide.

  • Praça das Cerejeiras de Gifu

Essa bonita praça abriga o Jardim Japonês de Campinas, formada por floreiras e uma fonte (que há anos está desligada). Já o seu nome presta homenagem a milenar cerejeira Usuzumi, muito tradicionais na região de Gifu e declarada Patrimônio Natural do Japão.

  • Instituto Cultural Nipo Brasileiro de Campinas

Fundado em 1951, o ICNBC tem como objetivo preservar e divulgar a tradição e cultura japonesa na região de Campinas através eventos, exposições, palestras e inúmeras outras ações.

Endereço: Rua Camargo Paes, n° 118.
Aberto de segunda a sexta, das 8h às 21h; sábado das 8h às 17h. domingo fechado.

  • Eventos

O Instituto Nipo de Campinas tem um calendário ativo de eventos e entre os mais famosos, destaco:
– Festival do Japão, geralmente realizado no final de junho;
– Feira Oriental do Nipo, realizado no segundo domingo de cada mês;
– Festa Junina, também realizada em meados de junho;
– Feira de Artesanato, realizada todas as segundas e quintas-feiras, das 9h às 16h.

  • Se localize:

Fontes:

  • http://campinassim.blogspot.com/2018/09/um-pouco-de-historia-imigracao-japonesa.html
  • https://www.cidadeecultura.com/imigracao-japonesa-em-campinas/
  • https://www.nippobrasilia.com.br/associacao/instituto-cultural-nipo-brasileiro-de-campinas-icnbc/

Você também irá gostar:

Torre do Castelo: museu e mirante 360° em Campinas

Lagoa do Taquaral: muito esporte e lazer no principal parque de Campinas

Trilhas São Vicente e do Bar da Cachoeira no distrito de Joaquim Egídio

Passeio de Maria Fumaça Campinas-Jaguariúna

Bosque dos Jequitibás: o mais antigo parque de Campinas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *