3 dias na fascinante Istambul: tudo o que você precisa saber

Em Istambul, edifícios centenários ficam perto de modernos arranha-céus. Na mesma área, mesquitas, igrejas e sinagogas convocam habitantes devotos. Muçulmanos liberais e conservadores vivem lado a lado, junto com pessoas de uma dúzia de outras religiões ou crenças. E é justamente esse cenário multicultural, com uma enorme mistura de elementos e tradições ocidentais e orientais, que encanta a todos que a visitam.

Por isso, se você está planejando visitar Istambul pela primeira vez, espero que este post possa ajudá-lo a planejar a sua viagem, pois nele conto um pouco das minhas experiências e dicas de onde se hospedar, o que comer, como se localizar e quais atrações ver.

Claro que 3 dias em Istambul não é tempo suficiente para explorar tudo o que a cidade tem a oferecer, mas você poderá ver o melhor da cidade.

Veja um roteiro rápido com 12 atrações imperdíveis em Istambul.

Viagem realizada em maio de 2019. 

Região de Sultanahmet
Típica rua de Istambul
Olha eu turistando pela cidade
  • Breve história

Istambul é um lugar raro. É a única cidade que fica entre a Europa e o Oriente Médio e justamente essa geografia que ajuda a explicar por que ela já foi a capital do Império Romano do Oriente, também conhecido como Império Bizantino, quando a cidade foi chamada de Constantinopla e, posteriormente, por que se tornou a base de poder dos sultões otomanos, cuja influência se estendeu pela África e o mundo árabe.

A cidade já tinha muitos nomes antes de ser chamada de Constantinopla. Foi conhecido pela primeira vez como Bazantion (também grafado Byzantion) pelos gregos que a fundaram em 667 a.C. e que mais tarde evoluiu para o nome latino Bizâncio. Também foi chamada de Augusta Antonina, em homenagem ao filho de um imperador romano – sem mencionar seus apelidos como “Cidade das Sete Colina”, “Rainha das Cidades” ou simplesmente “A Cidade”.

Por volta do ano 330, o imperador romano Constantino, o Grande – famoso por ser o primeiro imperador romano a se converter ao cristianismo – traçou os planos para uma nova cidade cristã para substituir Bizâncio. Como capital oriental do império, a cidade foi batizada de Nova Roma e, posteriormente, de Constantinopla, nome que persistiu até o século XX. Em 11 de maio de 330, Constantinopla foi proclamada capital do Império Romano e mais tarde se tornou a capital do Império Romano Oriental (Império Bizantino). Foi nesse período, inclusive, que a cidade se tornou a maior e mais rica da região, senão a mais importante de todo o mundo. Muitas construções imponentes foram erguidas na cidade, inclusive a Hagia Sophia, que permaneceu a maior catedral do mundo por mil anos.

Mas Constantinopla começou a declinar continuamente com o fim do reinado de Basílio II em 1025 e a chamada IV Cruzada devastou a cidade. Em 29 de maio de 1453, após um cerco de oito semanas, o sultão Mehmed II conquistou Constantinopla e a declarou a nova capital do Império Otomano. Com isso, a antiga cidade cristã devastada por guerras se transformou em uma nova capital imperial da cultura islâmica, com grandes avenidas, palácios, mercados e mesquitas.

 Mas após inúmeras guerras e conflitos, o declínio do Império Otomano veio no inicio do século XX, mais precisamente em 1923, quando a República da Turquia foi reconhecida. Em 1930, o nome Istambul foi oficializado.

Hagia Sophia, que foi a maior igreja do mundo por quase mil anos
  • Quando ir

Istambul está sob a influência dos climas do Mediterrâneo e do Mar Negro. Enquanto os verões são quentes e secos na costa no sul, e os invernos amenos, os verões são mais quentes e chuvosos na costa do Mar Negro e os invernos são frios.

Com isso, as melhores épocas para visitar Istambul são de março a maio e entre setembro e novembro, quando há menos turistas, as hospedagens estão mais baratas e as temperaturas são agradáveis. A alta temporada vai de junho a agosto. Já entre dezembro e fevereiro, o custo de vida é menor mas o frio, chuva e possibilidade de neve não podem agradar a todos.

Eu visitei a cidade durante a primavera (inicio de maio) e os dias estavam com sol e com temperaturas na faixa dos 24 graus. Além disso, uma das vantagens de se visitar Istambul na primavera é que a cidade fica mais colorida com a estação das flores, como é o caso desse imenso tapete de tulipas que estava em frente a Hagia Sophia 😍.

  • Como se localizar em Istambul

Istambul é uma mega cidade banhada pelo Mar de Mármara ao sul e pelo Mar Negro ao norte e lar de mais de 15 milhões de pessoas, por isso, se localizar nela é fundamental para garantir uma boa viagem. Primeiro, tenha ciência que a cidade é dividida pelo Estreito de Bósforo, que separa o lado europeu do lado asiático. Já a ligação entre os dois lados é feita pelas pontes do Bósforo e Fatih Sultan Mehmet, pelo Túnel Avrasya e também por balsas.

O lado asiático é menos turístico e mais populoso, sendo perfeito para quem procura realmente conhecer o ritmo de vida local, além de ser mais barato (eu infelizmente não tive a oportunidade de conhecer essa parte). Já o lado europeu é onde se encontram as atrações turísticas mais famosas e onde há maior concentração de hotéis, lojas e restaurantes. Curiosamente, o lado europeu de Istambul também é dividido, desta vez no sentido leste-oeste pelo Chifre de Ouro, um estuário natural que separa essa parte da cidade em Centro Velho, no qual o ponto de referência é a Praça Sultanahmet (sul) e o Centro Novo, referenciado pela Praça Praça Taksim (norte).

Os dois lados europeus são conectados pela Ponte Gálata, Ponte Atatürk e Golden Horn Metro Bridge.

Lado sul:

O lado europeu localizado ao sul do Chifre de Ouro é formado por vários distritos, sendo que o mais conhecido dos turistas é Fatih (que significa “conquistador”). Também  conhecida como a “verdadeira Istambul” ou a “primeira Istambul”, Fatih tem uma população de aproximadamente 450 mil habitantes e abriga as atrações históricas mais antigas e famosas de Istambul, como a Mesquita Azul, o Hipódromo e a Hagia Sophia. Para se hospedar, os bairros do distrito mais populares são Aksaray, Sultan Ahmet e Eminönü.

Lado sul

Lado norte:

Assim como o lado sul, o lado norte também é formado por vários distritos, mas o mais popular deles é Beyoğlu, região que cresceu em torno da Torre de Gálata e que abriga a vida noturna de Istambul. Essa área era conhecida como Pera (que significa “além” em grego) durante a Idade Média, nome esse que permanece vive em os habitantes – andando pelas ruas do distrito, você vai ver muito comércio com esse nome: Hotel Pera, Mercado Pera, Livraria Pera, etc…

As ruas de Beyoğlu

O distrito abrange os bairros de Gálata (hoje conhecida como Karaköy), Tophane, Cihangir, Şişhane, Tepebaşı, Tarlabaşı, Dolapdere e Kasımpaşa, sendo que a região mais popular para se hospedar é ao redor da Avenida İstiklal.

Bem mais ao norte estão os bairros de Levent e Maslak, pertencentes ao distrito de Beşiktaş e que juntos formam o centro financeiro e empresarial de Istambul (é onde estão os maiores arranha-céus da cidade).

Lado norte
  • Como se locomover durante os seus 3 dias em Istambul

Para se locomover durante a sua viagem, eu recomendo usar o extenso sistema de transporte público da cidade, que é barato e eficiente. Os bondes e o metrô operam das 6h às 24h e atendem os principais pontos turísticos. Como eu gosto de andar, fiz praticamente todo o meu roteiro a pé, utilizando o metrô apenas para ir a rodoviária, que fica em uma área distante do centro.

Como qualquer viajante, você não quer perder seu precioso tempo no trânsito ou tentando aprender a circular pela cidade, que tem um tráfego caótico, por isso não recomendo alugar um carro enquanto estiver em Istambul.

Por isso, eu recomendo fortemente investir no Istanbul Card durante suas 72 horas na cidade. O Istanbul Card é um passe de viagem que pode ser usado em todo o sistema de transporte público de Istambul: bondes, metrô, ônibus e balsas e que pode ser recarregado em postos de atendimento espalhados pelas ruas – você pode recarregar com o valor que quiser, mas vai por mim, as maquininhas estão em turco, então em um primeiro momento você pode se assustar.

Istanbul Card
Ponto de recarga do Istanbul Card em Sultanahmet

AEROPORTOS

Istambul é atendida por 3 aeroportos de médio e grande porte, sendo dois internacionais:

  • Aeroporto Sabiha Gökçen

O Aeroporto Sabiha Gökçen fica localizado em Pendik, distrito do lado asiático, a 35 km do centro da cidade. Inaugurado em 2001, atende o tráfego doméstico e de companhias low cost. Para ir e voltar desse aeroporto, as melhores maneiras são de:

Ônibus Público Municipal IETT
HAVABUS Airport Shuttle
Táxi
Transporte compartilhado
Transporte privado

  • Aeroporto Internacional Atatürk

O Aeroporto Internacional Atatürk foi inaugurado em 1924 e fica localizado em Bakırköy, há apenas 20 km de Sultanahmet. Foi até 2019 o principal aeroporto de passageiros do país, mas atualmente só recebe voo de carga – em 2018, por exemplo, o aeroporto teve um movimento de quase 68 milhões de passageiros. Para ir e voltar desse aeroporto, as melhores maneiras são de:

Ônibus Shuttle
Metrô (Estação Atatürk Havalimanı) e Bonde
Ônibus local
Serviço de táxi
Traslado

  • Aeroporto de Istambul

Já o Aeroporto de Istambul foi inaugurado em 2018 substituindo o Aeroporto de Atatürk e conta com capacidade para 150 milhões de passageiros – o intuito é torná-lo o maior do mundo.

O novo aeroporto é também o mais distante do centro, já que fica situado no distrito de Arnavutköy, no lado europeu, perto da costa do Mar Negro – cerca de 40 km a noroeste de Sultanahmet e que podem ser percorrido em cerca de 1h30. Para ir e voltar desse aeroporto, as melhores maneiras são de:

Ônibus Público Municipal IETT,
HAVAIST Airport Shuttle,
Táxi,
Transporte compartilhado,
Transporte privado.

Bondes:

O sistema de bondes de Istambul é elegante e eficiente, com bondes passando a cada cinco minutos, mas que podem lotar nos horários de pico. Para acessar o bonde, primeiro você terá que comprar um token de viagem (jeton) ou o Istanbul Card (Istanbulkart), que libera a catraca de acesso.

Para a maioria dos visitantes, a linha de bonde mais útil é a T1, que vai de Zeytinburnu a Aksaray e Sultanahmet. A linha cruza a Ponte Gálata e continua até Kabataş, passando por muitos pontos turísticos ao longo do caminho.

Ônibus

Ônibus e dolmuses (microônibus) também são eficientes, mas devido ao transito caótico e os constantes congestionamentos, as viagens podem ser muito longas e você perderá muito tempo.

Já a Rodoviária de Istambul fica a 10 km a noroeste da Praça Sultanahmet, no distrito de Bayrampaşa e era conhecido como Büyük Otogar ou Esenler Otogar – agora é chamado de 15 Temmuz Demokrasi Otogar.

Com 168 bilheterias e portões, sua própria estação de metrô , lojas, restaurantes, hotel, delegacia de polícia, clínica e mesquita, a rodoviária impressiona pelo tamanho e abrangência, já que tem rotas para todas as regiões da Turquia, além de Grécia, Romênia, Bulgária, região dos Balcãs, Europa Central e Oriente Médio.

Táxis

Os táxis são comuns em Istambul e as tarifas são baratas em comparação com outras grandes cidades europeias. Os táxis em Istambul são amarelos brilhantes, com a palavra “taksi” em uma placa no telhado. Eles podem ser chamados na rua ou encontrados em pontos de táxi.

Metrô

Seis linhas formam atualmente o Metrô de Istambul – muitas delas com conexões fáceis para linhas de bonde e funicular. Do lado europeu, a linha M1 (a linha vermelha em todos os mapas do metrô) tem duas ramificações em seu lado oeste: a linha M1A começa no aeroporto Ataturk (agora fechado para passageiros), enquanto a linha M1B começa em Kirazli, ambas terminando em Yenikapi.

Pontos de venda com cartão eletrônico, máquinas de token Biletmatik ou Jetonmatik permitem que você compre bilhetes de metrô.

Trecho do metrô de superfície em Sultanahmet
  • A cidade é segura?

No geral, Istambul é segura para turistas, mesmo para viajantes individuais, sendo que o terrorismo é a maior preocupação dos turistas estrangeiros. O último grande ataque terrorista aconteceu em janeiro de 2017, mas desde então, houve reforços na segurança nacional e o policiamento é constante nos bairros turísticos. De qualquer forma, é muito difícil para o turista se prevenir de um ataque terrorista, mas mesmo assim, não deixe que isso abale a sua viagem.

Os pequenos furtos são bem comuns e batedores de carteira estão sempre de olho nos turistas desatentos, mas como em qualquer outro lugar, você precisa cuidar de você e de seus pertences e não dar bobeira, pois infelizmente há pessoas má intencionadas em todo o lugar. Também evite andar sozinho(a) a noite em lugares pouco movimentados e em bairros mais afastados.

Particularmente, eu achei o clima da cidade muito parecido com o de São Paulo, ou seja, você consegue circular com segurança pela cidade, mas sem dar bobeira e sempre atento.

Grande quantidade de turistas no centro: prato cheio para pessoas má intencionadas agirem
  • Onde se hospedar:

Como você pode notar, Istambul é uma cidade imensa e o bairro que você escolher para se hospedar poderá impactar bastante no seu roteiro. Por isso, selecionei as regiões mais populares entre os turistas de acordo com alguns perfis:

Onde ficar em Istambul se você procura luxo e modernidade: Praça Taksim e Beşiktaş;
Onde ficar em Istambul se você está em família: região do Grand Bazaar e Avenida İstiklal;
Onde ficar em Istambul se você procura ficar próximo das áreas históricas: Sultanahmet;
Onde ficar em Istambul se você quer economizar: Karaköy e algumas partes de Sultanahmet;
Onde ficar em Istambul se você procura por compras populares: região do Grand Bazaar;
Onde ficar em Istambul se você procura vida noturna: região de Gálata e Beşiktaş.

Típica rua da região de Gálata

Eu fiquei hospedado em um pequeno hostel localizado na Rua Divan Yolu Cd. em Sultanahmet, há apenas duas quadras da Hagia Sophia e adorei a localização (já não posso dizer o mesmo do hostel). O bom de ficar hospedado em Sultanahmet é que você estará próximo das principais atrações e que você estará bem conectado com os principais meios de transporte – a linha de metrô que vai até a rodoviária e a linha de ônibus que vai até o Aeroporto Internacional tem pontos na Praça Sultanahmet. Por outro lado, se você procura tranquilidade, esse bairro talvez não seja o mais aconselhado, pois a movimentação de turistas é sempre constante.

As ruas de Sultanahmet
  • O que comer

A centenária mistura de culturas também teve um grande impacto na cena gastronômica. Em Istambul, você pode desfrutar de diferentes cozinhas, que vão desde a autêntica comida otomana, passando pela comida típica turca com seus deliciosos mezes e pratos de carne ou frutos do mar, até a cozinha moderna do Ocidente. Se ainda tiver algum apetite, experimente uma das muitas sobremesas turcas.

Por isso, não deixe de provar:

Café da Manhã Turco

Um café da manhã tradicional turco geralmente consiste em pão branco, uma variedade de queijos e geleias, mel e creme coagulado (bal kaymak). Você também encontrará azeitonas, tomates, pimentões verdes e pepinos.

Mezes

Mezes são uma seleção de entradas que são colocadas no meio da mesa para serem compartilhadas. As opções frias incluem haydari (iogurte com hortelã e alho) e midye pilakisi (mexilhões cozidos em azeite de oliva).

Eles também vêm em opções quentes, como espetadas de fígado de frango e queijo grelhado. Mezes são comidos com pão e tradicionalmente regados com rakı (uma bebida com sabor de anis que é a bebida alcoólica nacional na Turquia).

Kebabs

O produto de exportação culinária mais famoso da Turquia é o kebab – conhecido como kebap em turco. Kebabs incluem o döner kebap e são fatias finas de carne assada (geralmente cordeiro) em um espeto.

Bolos e doces:

Bolos e doces são onipresentes em Istambul. O mais famoso é o baklava (massa folhada em calda), mas existem muitas variações com mel, caldas, amêndoas e pistache.

Doces sendo vendidos na rua

Chá e Café:

Tanto o çay (chá) quanto o kahve (café) são a força vital da Turquia e são consumidos pretos, fortes e doces e em pequenas quantidades. O chá é com açúcar, mas sem leite, e em um pequeno copo em forma de tulipa. O café é bebido com menos frequência e é mais caro que o chá.

Chá turco acompanhando de alguns doces

Dondurma

Dondurma é um sorvete de mastique com uma ampla variedade de sabores, que vão de gengibre a amora.

Mas a melhor coisa sobre o dondurma é assistir os vendedores fazerem os clientes de “bobos”: eles usam blocos giratórios de sorvete com hastes de metal e cones de engodo para pegar de volta o sorvete quando você pensa que está sendo oferecido a você. É engraçado de ver e eles estão em quase todas as esquinas da cidade.

Simit

Simit é a comida de rua mais popular e onipresente em Istambul, e também em grande parte do resto do país. Se você já esteve na Turquia, certamente já o encontrou. Nada mais é do que um pãozinho crocante com gergelim.

Monumento em homenagem a arte de fazer Simit
  • Os famosos banhos turcos

Na Turquia, os hammams, também chamados de banhos turcos, são banhos úmidos de vapor que se desenvolveram no Império Otomano após a tomada de Constantinopla em 1453 e foi inspirado nos banhos romanos.

Tradicionalmente, o hammam é dividido em três quartos. No primeiro quarto a temperatura ambiente funciona como vestiário. Na segunda sala, a temperatura é um pouco mais elevada mas continua quente (37°C38°C). Já a última sala é a mais quente (50°C) onde nos sentamos num banco de mármore.

Eu não cheguei a visitar nenhum banho turco por falta de tempo, mas há vários espalhados pela cidade, sendo que alguns dos mais famosos são o Kılıç Ali Paşa Hamamı, Aya Sofya Hürrem Sultan Hamami, Cağaloğlu Hamamı, Ağa Hamamı e o Çeşme Hamamı.

  • Roteiro

Antes da pandemia, Istambul vinha recebendo cerca de 39 milhões de turistas por ano. Com tantos turistas em movimento, pode ser difícil para os visitantes de primeira viagem descobrir a melhor forma de aproveitar a cidade. Com isso, dividi o roteiro de acordo com a localização das atrações para economizar tempo no trajeto.

Durante a minha estadia em Istambul, visitei quase todos os seus pontos turísticos imperdíveis, já que este roteiro foi pensado para dar um gostinho da cidade como um todo. Mas é claro que não é possível explorar todas as atrações de Istambul em apenas três dias.

Também é possível seguir este roteiro se você estiver passando apenas um fim de semana em Istambul, mas de maneira mais corrida.

  • Dia 1 em Istambul

O primeiro dos três dias do meu roteiro em Istambul cobre a área de Sultanahmet, que tem uma alta concentração de locais históricos, cafés, lojas e restaurantes. Eu iniciei as minhas andanças pela cidade por Sultanahmet pois estava hospedado em um hostel na região, o que facilitou bastante o meu trajeto.

O bairro é uma vitrine do passado glorioso de Istambul e é o lar de algumas das melhores coisas para ver em Istambul, como mesquitas famosas, igrejas e casas que datam das eras bizantina, romana e otomana. Para explorar Sultanahmet, o melhor é ir a pé, pois as ruas são estreitas e sempre lotadas de turistas, o que dificulta a circulação em veículos.

  • Praça Sultanahmet

Andar pela Praça Sultanahmet é talvez uma das primeiras coisas que um viajante faz quando visita Istambul, justamente por essa área ser rodeada de hotéis, cafés e restaurantes e ter algumas das atrações mais populares da cidade.

Hagia Sophia e a Mesquita Azul são obviamente as atrações mais óbvias aqui, mas não deixe de visitar também a Coluna da Serpente, o Obelisco de Tutmés III, o Obelisco Murado e a Fonte Alemã.

A praça também tem excelente estrutura com sanitários, ponto de informações turísticas e uma base policial.

Mas antes de visitar essa grande e movimentada praça, saiba que Sultanahmet foi, no passado, o hipódromo de Constantinopla – o centro social e esportivo de Constantinopla e onde corridas de cavalos e carruagens eram bem populares.

  • Mesquita Azul

A Mesquita Azul é na verdade chamada de “Mesquita de Sultanahmet”, em homenagem a Sultan Ahmet I, que ordenou a construção de uma mesquita maior e mais bonita que a Haghia Sophia, a majestosa igreja bizantina transformada em mesquita. Já seu popular nome “Mesquita Azul” é uma referência aos azulejos e vitrais nesse tom que revestem o seu rico interior.

Neste post eu conto como foi a minha visita a Mesquita Azul, assim como algumas curiosidades sobre ela.

  • Tumba de Ahmet I

Mais conhecido por ter ordenado a construção da Mesquita Azul, Ahmed I foi o sultão do Império Otomano de 1603 até sua morte em 1617 por tifo e hemorragia gástrica. Logo após, seu corpo foi enterrado em um mausoléu localizado na parte externa da Mesquita Azul.

Ele foi sucedido por seu irmão mais novo Şehzade Mustafa como Mustafa I . Mais tarde, três dos filhos de Ahmed ascenderam ao trono: Osman II (r. 1618–1622), Murad IV (r. 1623–1640) e Ibrahim (r. 1640–48).

  • Arasta Bazaar (Arasta Çarşısı)

Este pequeno bazar é formado por uma única rua comercial coberta com mais de 70 lojas que vendem cerâmicas, azulejos, lenços, kilims e diversas lembrancinhas de viagem. Mas o grande foco do Arasta Bazaar são suas belíssimas lojas de joias e de tapetes e estofados.

O bazar foi construído no século XVII por funcionários otomanos sob um antigo palácio bizantino, sendo que muitos mosaicos que pertenciam a este palácio podem ser vistos atualmente em exposição.

  • Hagia Sophia

Se você se interessa por arquitetura, saiba que a construção de Hagia Sophia é um dos marcos da história da arquitetura mundial e servindo de inspiração para milhares de mesquitas. Construída em 537 DC, a Hagia Sophia foi palco para importantes cerimônias imperiais bizantinas. De 1453 a 1931, serviu como mesquita imperial otomana e em 1935 foi transformada em museu. Já seu nome faz referência a Sofia, a Mártir.

Já seu interior impressiona pela grandiosidade e pela representatividade: em que outro lugar podemos ver símbolos cristãos e muçulmanos em um mesmo espaço? Por isso, possivelmente essa é a atração mais famosa e concorrida de Istambul, o que faz as filas para entrar na Hagia Sophia serem extremamente longas dependendo da época do ano.

O horário de funcionamento é das 09h00 às 19h00 (abril a outubro) e das 09h00 às 17h00 (novembro a março). A entrada custa 72 TL.

  • Soğuk Çeşme Sk.

Bem atrás da Hagia Sophia fica essa charmosa rua repleta de históricas e bem preservadas casas do século XIX.

  • fonte ahmed III

Bem no final (ou início) da rua Soğuk Çeşme está a grandiosa fonte rococó turca construída pelo sultão otomano Ahmed III em 1728 em frente a um dos portões do Palácio de Topkapi.

  • Palácio de Topkapi

O Palácio de Topkapi já foi a residência principal dos sultões otomanos e a sede administrativa do Império Otomano, mas agora é um grande museu que exibe visões da verdadeira realeza turca. É bastante extenso e pode levar algumas horas para ser explorado em profundidade.

Possui um portão imperial, quatro pátios em diferentes níveis que têm seu próprio conjunto de seções internas, um harém, um jardim externo e muitos pátios menores. Eu não cheguei a visitar seu interior, mas a parte externa é aberta ao público.

  • Hagia Irene

Localizada no pátio externo do Palácio de Topkapi e construída no ano 532, a Igreja Ortodoxa Oriental de Santa Irene é uma das poucas igrejas de Istambul que não foi convertida em mesquita, pois era usada como arsenal de armazenamento de armas até o século XIX. Atualmente funciona como um museu e sala de concertos.

  • Parque Gulhane

Um dos parques mais populares de Istambul, o Parque Gulhane é super concorrido entre moradores e turistas que procuram um lugar arborizado e tranquilo para descansar e fazer  piqueniques. O parque cobre uma área muito grande e abriga uma variedade de jardins, árvores, fontes, monumentos e cafés ao ar livre.

A Coluna dos Godos, um monumento da vitória do século III bem preservado, é encontrada na extremidade do parque.

Construído em um dos terrenos do Palácio de Topkapi, está aberto diariamente das 06:00 h às 22:30 h. A entrada é gratuita.

  • Museus Arqueológicos de Istambul

Ao lado Parque Gülhane e do Palácio Topkapi está o maior complexo museológico da cidade, formado por três espaços: o Museu Arqueológico (no edifício principal), o Museu do Antigo Oriente e o Museu de Arte Islâmica. Fundados em 1891, guardam mais de um milhões de objetos históricos.

Eu não cheguei a visitá-los, apenas admirei a arquitetura externa dos prédios. De qualquer forma, caso os visite, reserve pelo menos duas horas para apreciar a rica coleção.

  • Dia 2 em Istambul

Meu segundo dia em Istambul foi dedicado para conhecer a região do Grande Bazar e a Mesquita Süleymaniye, descendo até o bairro de Eminönü, com suas muitas lojas e mercados populares.

Saindo do hostel onde estava hospedado, segui pela rua Yeniçeriler Cd. em sentido norte. Essa rua é uma das mais movimentadas da região e uma das principais ligações entre Sultanahmet e os demais distritos do lado europeu sul. Além de inúmeras atrações, a Yeniçeriler Cd. abriga várias unidades de lojas ocidentais, como o McDonald’s e o Starbucks.

Yeniçeriler Cd.
  • Tumba e Cemitério de Mahmud II

O mausoléu abriga os sarcófagos de três sultões otomanos: Sultan Mahmud II (1875-1839), Sultan Abdulaziz (1830-1876) e Sultan Abdul Hamid II (1842-1918), além de seus parentes próximos. Anexado ao mausoléu está um pequeno cemitério contendo os túmulos de alguns dos descendentes mais remotos dos sultões. É um dos cemitérios otomanos mais bonitos que visitei na cidade.

  • Koprulu Mehmet Pasha

Essa mesquita foi construída em 1661 por Koprulu Mehmet Pasha e tem em seu complexo uma biblioteca, tumba e fonte.

  • Coluna de Constantino

Essa histórica coluna de 35 metros de altura foi construída a mando do imperador romano Constantino em 330, com o intuito de comemorar a elevação de Bizâncio como a nova capital do Império Romano. No alto da estrutura havia uma estátua de bronze de Constantino, que foi derrubada por uma tempestade em 1106. Na sequência, uma cruz de bronze foi colocada no lugar, mas foi removida pelos otomanos em 1453.

  • Mesquita Gazi Atik Ali Pasha

A área onde o complexo foi construído está dentro dos limites do Fórum Constantino e a fundação da mesquita é datada de 1509.

  • Mesquita de Nuruosmaniye

Construída entre 1749 e 1755, essa mesquita é uma das mais imponentes de Istambul. Sua construção foi ordenada pelo Sultão Mahmud I e coube aos os arquitetos Mustafá Aga e Simão Calfa o seu projeto.

  • Tumba de Sinan Pasha

Esse grande complexo inclui uma escola, um túmulo e uma fonte.

  • Grande Bazaar

Maior e mais visitado bazar de Istambul, além de ser um dos maiores e mais antigos mercados cobertos do mundo, o Grand Bazaar é formado por 61 ruas cobertas e mais de 4.000 lojas em uma área total de 30.700 m2, empregando mais de 26 mil pessoas e atraindo quase 400 mil visitantes por dia! É tanta gente circulando pelos corredores do bazar que em 2014, ele foi listado em primeiro lugar entre as atrações turísticas mais visitadas do mundo, com 91 milhões de visitantes anuais.

Eu conto um pouco mais do Grand Bazaar aqui.

Uma das entradas do Grand Bazaar

  • Mesquita Süleymaniye

Se há uma mesquita que merece ser vista durante os passeios em Istambul, é a Süleymaniye (Süleymaniye Camii), a mesquita mais bonita de Istambul na minha opinião. Foi construída entre 1550 e 1557 para o sultão Süleyman I, “o Magnífico”, pelo maior arquiteto do Império Otomano, Sinan, sendo essa uma de suas melhores criações e considerada uma homenagem à Idade de Ouro do Império Otomano.

O interior da mesquita é simples, mas elegante, e muito mais sereno em comparação com a Mesquita Azul. A cúpula azul, branca e dourada contém 200 janelas com vitrais para garantir uma luz suavemente filtrada.

Os túmulos do sultão e de sua esposa Roxelana ficam atrás da mesquita no jardim murado. A tumba de Sinan, projetada por ele mesmo, fica em um jardim triangular do lado de fora do canto norte do complexo, coberto por uma pequena cúpula. Ainda na parte externa, não deixe de apreciar as impressionantes vistas do pátio da mesquita, uma das mais bonitas que vi na cidade.

A Mesquita Süleymaniye está aberta diariamente das 09:00 h às 18:00 h, mas fecha durante os momentos de oração.

A impressionante vista dos terraços da mesquita
  • Bazar Egípcio

Historiadores dizem que este imponente mercado foi primeiramente chamado de “Novo Bazar”. Em seguida, recebeu o nome de “Bazar Egípcio” (em turco: Mısır Çarşısı) porque foi construído com as receitas do eyalet otomano do Egito em 1660. Desde sua construção em 1660, o espaço é o centro do comércio de especiarias em Istambul, tendo mais de 80 lojas.

  • Mesquita Yeni

A construção da Mesquita Yeni (Mesquita Nova) iniciou-se em 1597e o seu projeto causou muitas polemicas políticas na época, justamente devido a sua localização no bairro de Eminönü, que era o principal centro comercial da cidade e habitado sobretudo por judeus.

  • Mesquita Rüstem Pasa

Esta mesquita foi construída em 1561 pelo arquiteto Sinan para Rüstem Paşa, genro e grão-vizir de Süleyman I.

  • Dia 3 em Istambul

No último dia deste itinerário por Istambul, atravessei o Corno de Ouro e desbravei a região em torno da Torre de Gálata, já no lado europeu norte. Esse foi o dia mais corrido do meu roteiro, justamente pelo fato da região ser grande e cheia de ladeiras, o que acabam cansando um pouco hehe.

Os destaques desse dia foram:

  • Passeio de balsa pelo Bósforo

Pegar uma balsa pelo Bósforo é uma das melhores coisas a se fazer ao passar três dias em Istambul. O horizonte da cidade é uma das paisagens urbanas mais famosas do mundo e o passeio de barco proporciona ótimas experiências.

Eminönü é o porto de onde partem os ferries para muitos destinos e para viagens ao longo do Bósforo.  Apesar de não ter feito esse passeio, eu recomendaria pegar a balsa Eminönü-Üsküdar operada por Istambul Şehir Hatları, pois vi relatos de ser uma das melhores.

As balsas operam das 07h às 23h, com saídas a cada 20 minutos e a viagem dura cerca de 25 minutos. Se possível, pegue bom assento nas laterais do convés superior na proa ou na popa, para sentir a brisa e ter as melhores vistas.

As balsas
  • Ponte Gálata

A atual Ponte Gálata foi construída em 1994, sendo a quinta estrutura existente ali – a ponte original foi construída em 1845.

Embora a ponte em si não seja uma maravilha arquitetônica, ela é a mais popular delas, servindo como ligação entre os dois lados da Istambul europeia (a parte antiga, imperial e islâmica da cidade com a área amplamente europeizada e progressiva de Beyoğlu), separada pelas águas do Corno de Ouro.

Além disso, há várias lojas e restaurantes ao longo de sua extensão, na parte inferior. Sem falar que atravessar a ponto a pé rende ótimas fotos.

Do alto da ponte
  • Bairro de Tophane

Assim que você atravessar a ponte, ao seu lado direito estará Tophane, bairro portuário que faz parte do distrito de Beyoğlu e que foi a zona industrial mais antiga do período otomano. O bairro tem ruas charmosas e algumas atrações interessantes Universidade de Belas Artes Mimar Sinan, o Museu de Arte Moderna e o Complexo de Quilije Ali Paxá, construído entre 1580 e 1587 e que é formado por uma mesquita, um banho turco, um Turbe, e uma fonte.

Uma das ruas de Tophane
Uma das ruas de Tophane
Complexo de Quilije Ali Paxá
  • Bairro de Gálata

Depois de uma rápida caminhada por Tophane, à direita da Ponte de Gálata está o bairro de Gálata, também pertencente ao distrito de Beyoğlu e que no passado fez parte da República de Gênova entre 1273 e 1453.

O bairro está situado em uma colina e a melhor forma de conhecê-lo é caminhando pelas suas ruas e vielas, utilizando a Torre Galata como referência.

  • Torre de Gálata

A grandiosa Torre de Gálata (Galata Kulesi) é o marco mais conhecido desta parte da cidade e também uma das principais atrações de Istambul. A torre medieval de 67 metros de altura foi construída em 1348 pelos genoveses, os maiores parceiros comerciais do Império Bizantino, como parte da fortificação de Gálata, servindo de prisão, torre de vigia e até mesmo um trampolim para os primeiros aventureiros que tentavam voar hehe.

Desde sua construção, a torre sobreviveu a vários terremotos, tendo também passado por várias restaurações. Hoje, para subir no alto da torre paga-se 100 liras turcas – a entrada é gratuita para crianças menores de 7 anos. O Museum Pass Istanbul é válido para a entrada na torre.

  • Avenida İstiklal e região

A Avenida İstiklal (Avenida da Independência) é a mais imponente, elegante e famosa das vias da cidade. Com 1,4 km que vão da região da Torre de Gálata até a Praça Taksim, a İstiklal tem inúmeras lojas, boutiques, bares, centros comerciais, confeitarias, cafés, livrarias, teatros e galerias de arte que chegam a atrair mais de 3 milhões de pessoas em um único final de semana. Além disso, a avenida abriga lindos edifícios em estilo neoclássico, neogótico, renascentista, beaux-arts, art nouveau e modernista.

No final da Avenida İstiklal está a Praça Taksim, a mais importante e simbólica de Istambul e palco das principais manifestações da história recente do país.

Fonte: Wikipedia

Eai, me conte nos comentários o que achou de Istambul 😍.

 

Roteiro de um dia por Izmir, a terceira maior cidade da Turquia.

Conheça as ruínas de Éfeso, patrimônio da humanidade.

Mirantes, trilhas e aventura no Love Valley, o Vale do Amor da Capadócia.

  • Se localize:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *