Visitando as quatro basílicas papais de Roma

Quem me conhece sabe que visitar igrejas é uma das minhas atividades preferidas em viagens.
Não apenas pela religiosidade, mas pela história, arquitetura e arte desses lugares sacros. E Roma é, sem dúvidas, um paraíso para os amantes de igrejas, já que são mais de 900 espalhadas pela cidade – a maioria delas pertencentes a Igreja Católica.

E durante minha viagem por terras romanas, visitei mais de 30 igrejas, entre elas as quatro basílicas papais de Roma, as mais importantes delas.

  • O que é uma basílica papal?

Uma basílica papal é a igreja que goza do mais alto nível dentro da Igreja Católica Romana. Isso significa que essas igrejas são controladas diretamente pelo papa e contam com uma porta sagrada e um altar papal que executam um valioso papel na indulgência plenária, sendo que nesse altar papal, somente o papa ou alguns outros sacerdotes podem celebrar a Eucaristia.

Antigamente, dentro dessa hierarquia, as basílicas papais era chamadas de “patriarcais”, mas com a renúncia do Papa Bento XVI ao título de Patriarca do Ocidente, essas igrejas foram renomeadas.

  • Quais são as basílicas papais?

Ao todo são seis basílicas papais, todas elas localizadas na Itália: duas em Assis e quatro em Roma. As basílicas de Assis, São Francisco e Santa Maria degli Angelio, são igrejas menores que tem o altar papal, mas não uma porta sagrada. Já as basílicas de Roma são maiores e mais importantes, sendo elas: Santa Maria Maggiori, São João de Latrão, São Pedro e São Paulo Extramuros. E durante minha a viagem de 3 dias por Roma, fiz questão de visitar as quatro igrejas, todas elas imponentes, ricas em obras de arte e com arquitetura semelhante.

  • As basílicas de Roma:

Santa Maria Maggiori

Como estava hospedado próximo a Estação Termini, a primeira das basílicas que visitei foi a de Santa Maria Maior ou Santa Maria Maggiori, localizada há menos de 10 minutos dessa estação. Uma outra opção para quem usa o metro é a estação Cavour (linha B).

Com construção iniciada no de 432, essa foi a primeira igreja do Ocidente dedicada a Maria em honra a Jesus Cristo e é atualmente a maior igreja mariana de Roma – daí o maior do nome.Sua importância é tanta que Na liturgia católica, há uma celebração dedicada à Dedicação de Basílica de Santa Maria Maior.

Em seu rico acervo, há um relicário com uma peça que possivelmente fez parte da manjedoura onde nasceu Jesus. Essa peça está na Cripta da Natividade ou Cripta de Belém, sob o altar-mor da basílica. Destaque também para os mosaicos que representam cenas do Antigo Testamento, da Vida de Cristo e da Vida de Maria.

A basílica também abriga uma Capela Sistina (não aquela famosa com as pinturas do Michelangelo) mas uma capela dedicada ao Papa Sisto V. O túmulo do grande artista Gianlorenzo Bernini e sua família está localizada em frente à essa capela.

Na praça em frente à igreja fica a Colonna della Pace.]

São Pedro

E o que dizer de São Pedro? Maior e mais importante espaço religioso da Igreja Católica Romana, a Basílica de São Pedro impressiona pelo seu tamanho: são 23 000 m² ou 2,3 hectares, capacidade para abrigar mais de 60 mil pessoas e uma gigantesca cúpula que domina o horizonte de Roma. Localizada na Praça de São Pedro, no Estado do Vaticano, a basílica começou a ser construída em 1506 no lugar de uma antiga igreja idealizada pelo Imperador Constantino, e foi concluída em 1626, a partir de um projeto de Donato Bramante. Já seu nome se deve porque sob o altar principal está enterrado São Pedro.

Uma das maiores obras arquitetônicas da história, a basílica recebeu a contribuição de grandes artistas como Michelângelo, Rafael e Bernini, além de ser um dos monumentos mais visitados do mundo. Apesar de não ser a sede oficial do Papado, essa basílica é a que mais recebe visitas e cerimonias papais, como a famosa missa de domingo.

Deixei para visitar a Basílica de São Pedro no mesmo dia da minha ida aos Museus do Vaticano. Para chegar nela,  é só pegar a linha A do metrô de Roma em direção a Battistini, e descer na estação Ottaviano “San Pietro”. E vá sem pressa, pois além da igreja ser enorme, a fila para acessa-la pode ser demorada, já que é necessário passar por um detector de metais.

 

São João de Latrão

A Arquibasílica Papal de São João de Latrão ou San Giovanni in Laterano é a catedral da Diocese de Roma, a sé episcopal do Papa e a igreja mãe ecumênica, o que a torna a mais importante de todas as basílica papais, incluindo a Basílica de São Pedro – por isso recebe o titulo de arquibasílica. É também a mais antiga delas, com construção iniciada no século IV pelo Imperador Constantino. Já sua fachada atual em estilo neoclássico (que considero a mais bonita das 4 basílicas), foi completada em 1735, contando com a colaboração de Galileu Galilei.

Acima da fachada pode-se ler: CLEMENS XII PONT MAX ANNO V CHRISTO SALVATORI IN HON SS IOAN BAPT ET EVANG, que resumidamente significa “Papa Clemente XII, no quinto ano de seu pontificado, dedicou este edifício a Cristo, o Salvador, em homenagem aos Santos João Batista e João Evangelista”. Isso porque quando foi construída, a igreja era dedicada à Cristo Salvador e anos depois passou a ser dedicada também aos outros dois santos.

Seu interior lembra muito a das outras basílicas, apesar de ser mais imponente. Ali, há seis túmulos papais: Alexandre III (corredor direito), Sérgio IV (direito), Clemente XII Corsini (corredor esquerdo), Martinho V (na frente do confessio), Inocêncio III (braço direito do transepto) e Leão XIII (1907; braço esquerdo do transepto).

Fazem parte do complexo religioso de São João Latrão:

Obelisco Laterano, o mais alto obelisco da Itália e o maior obelisco antigo do mundo;
Palácio Laterano, de propriedade da Santa Sé, foi construído por Marco Aurélio
no ano 161;
Batistério de Latrão, considerado o mais antigo do cristianismo, construído entre 313 e 315 por Constantino I, que ali foi batizado.
Escada Santa, que segundo a tradição católica, seria a escadaria na qual Jesus Cristo teria subido no julgamento com Pôncio Pilatos. A escada fica dentro da Igreja de San Lorenzo in Palatio ad Sancta Sanctorum (localizada em frente a São João de Latrão) e foi trazida a Roma por Santa Helena no século IV.

A estação de metrô mais próximo é a San Giovanni, pertencente a Linha A.

Palácio e Obelisco Laterano

São Paulo Extramuros

A Basílica de São Paulo Extramuros ou San Paolo fuori le Mura tem esse nome por estar localizada do lado de fora da Muralha Aureliana, conjunto de muralhas que protegia Roma na época em que a igreja foi construída.

É também a mais distante das 4 basílicas, o que faz ela ser a menos visitada, o que é uma pena, pois achei essa a mais bonita delas, justamente por ter uma arquitetura diferente. Porém, ela é facilmente acessada através da linha B do Metrô – estação Basílica San Paolo.

A basílica começou a ser construída em 386 por Teodósio I exatamente sobre o túmulo do apóstolo São Paulo – o túmulo pode ser visto sob o altar. Um grande incêndio em 1823 fez com que a igreja fosse completamente reconstruída pelo arquiteto Luigi Poletti. O resultado dessa obra foi um edifício com 131 metros de comprimento, 65 metros de largura e quase 30 metros de altura no interior, o que faz dessa a segunda maior igreja de Roma, depois de São Pedro. Na frente da fachada há um belo jardim com uma grande estátua de São Paulo e um pórtico coberto rodeado por uma colunata.

 

Túmulo de São Paulo
  • Se localize:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *