Viagem pela Eslovênia: tudo o que você precisa saber

Ah, linda Eslovênia! Este é um dos países mais incríveis da Europa. É tão pequeno, mas tem tudo que um viajante procura e você certamente não ficará entediado durante a sua visita.  Sua localização entre a Áustria e os Bálcãs oferece uma combinação única de vibrações do Leste Europeu e do Mediterrâneo. A natureza também foi muito generosa para a Eslovênia, colocando muitas maravilhas aqui – é o país mais rico em água da Europa, pois está cheio de lagos, rios e um vasto curso de água subterrâneo, que é de importância global. Enquanto isso, mais da metade da área terrestre de 20.273 quilômetros quadrados é coberta por florestas.

Além disso, em apenas um dia, você pode nadar no Mar Adriático pela manhã e caminhar nos Alpes Eslovenos à tarde, além de emendar uma visita à segunda maior caverna do mundo. Mas eu não recomendaria essa loucura: é melhor visitar a Eslovênia com calma e aproveitar o lugar e suas belezas ao máximo!

Cidade velha de Piran vista das muralhas
Igreja da Anunciação em Liubliana
Castelo de Bled
  • Informações práticas

Nome: República da Eslovênia
Capital: Liubliana (Ljubljana)
Maiores cidades: Liubliana, Maribor, Celje e Kranj
Moeda: Euro
População (2016): 2 milhões (143° mundo)
IDH (2017): 0.896 (25° mundo)
Idioma oficial: Esloveno (a língua eslovena em um primeiro momento pode assustar, mas nos lugares turísticos é muito fácil se comunicar em inglês, então não se preocupe).

  • Breve História

Com o final da II Guerra Mundial, as repúblicas da Sérvia, Croácia, Montenegro, Bósnia e Herzegovina, Macedônia e Eslovênia formaram a República Socialista Federativa da Iugoslávia. Com o fim da Guerra Fria e o colapso do comunismo, as antigas federações desse bloco passaram por uma grande onda nacionalista e a Eslovênia declarou sua independência em 1992. Desde então, se tornou referência mundial em qualidade de vida, saúde e educação, sendo uma economia altamente desenvolvida, com a segunda maior renda per capita nos países eslavos e o país mais desenvolvido e rico da antiga Iugoslávia, com crescimento anual de cerca de 7% na última década. Em 2007, se tornou o primeiro ex-país comunista a ingressar na zona do euro – antes de 2007, a moeda do país era o tolar.

Muralhas medievais em Piran: resquícios do passado esloveno
Arquitetura típica eslovena em Bled
Modernos edifícios em Liubliana
Muralhas medievais de Piran
  • Documentação e visto

Brasileiros não necessitam de visto para entrar no país – para estadia de até 90 dias, é necessário apenas o passaporte válido por no mínimo três meses depois da data de entrada ao país.

É necessário também apresentar um seguro de viagem internacional que cubra despesas médicas básicas. Não há vacinas obrigatórias – mas se tiver sua carteira de vacinação internacional, não deixe de levá-la.

  • Moeda e custo de vida

A crise da zona do euro atingiu a Eslovênia com força no final dos anos 2000, o que resultou em preços razoavelmente baixos em comparação com os países vizinhos. Para os mochileiros que estão sempre à procura de destinos baratos, a Eslovênia é uma ótima escolha – mas claro, tudo isso depende do seu padrão de viagem, por isso, vale a pena pesquisar. Uma refeição casual custa cerca de 7 euros, uma cerveja custa cerca de 2,50 euros e você pode saborear um excelente café por apenas 1,30 euro.

  • Quando ir

O verão é uma ótima época para visitar a Eslovênia, mas também é o período mais movimentado e caro para viagens. Outono e primavera são excelentes, já que as temperaturas são agradáveis e há menos turistas – imagina ver o Lago Bled com as cores do outono?! 😍. Inverno é baixa temporada, com temperaturas abaixo de zero em alguns pontos e neve constante. Mas também proporciona belas vistas e a possibilidade de esquiar em vários parques nacionais pelo país. Ou seja, independente da época do ano, há coisas para ver e fazer.

Picos nevados na região de Bled
Litoral esloveno em Piran
  • Segurança

O país tem baixa taxa de criminalidade e a violência urbana é quase inexistente. Porém, como em qualquer lugar, é bom tomar alguns cuidados, até porque turistas são sempre alvo fácil de pessoas mal intencionadas. Então, sempre fique de olho em seus pertences e não dê bobeira, principalmente em áreas movimentadas. Tomando esses cuidados, tenho certeza que sua viagem será perfeita, assim como a minha foi.

  • Como se locomover e onde se hospedar

A infraestrutura da Eslovênia é excelente, com estradas duplicadas, pavimentadas e bem sinalizadas, além de ampla oferta de serviços. Como é um país relativamente pequeno, é possível ir de um lado para o outro sem muito trabalho. A Eslovênia tem uma rede ferroviária centralizada em Liubliana e que conecta-se à Áustria e à Croácia, mas infelizmente não à Itália.

O país também é servido por uma boa rede de ônibus que atinge partes que a rede de trens não atinge – eu viajei com a FlixBus e não me arrependo, pois os ônibus são confortáveis e as viagens são pontuais. Também vale citar as ciclovias: eu nunca vi uma cidade com tantas ciclovias e consequentemente com tantos ciclistas em toda a minha vida.

Estação Ferroviária de Liubliana
Rodoviária de Piran
Rodoviária de Liubliana

A Eslovênia também tem boas opções de hospedagens, com pousadas, hostels, hotéis estrelados e resorts (principalmente no litoral). Eu utilizei Liubliana como base para viajar pelo país e a fim de evitar maiores gastos com locomoção, reservei um hostel não muito longe da Rodoviária, o Most Hostel. Localizado em frente a Ponte do Dragão, esse hostel tem avaliação 8.0 no Booking.com e 3 diárias me custou o equivalente a R$150,00 – valor vigente em abril de 2019.

Hotel de Luxo nos arredores de Piran: o litoral da Eslovênia é bem movimentado durante a alta temporada e há muitas opções de hospedagem
  • Como foi a minha viagem

Eu cheguei na Eslovênia vindo de Zagreb, na Croácia – viagem de cerca de 2 horas em um ônibus da FlixBus. Depois de três dias super proveitosos no país, dei continuidade na minha eurotrip partindo para Budapeste – viagem de 8 horas também com a FlixBus.

  • Roteiro

Terça, 16 de abril: Piran
Quarta, 17 de abril: Bled
Quinta, 18 de abril: Liubliana
Sexta: 19 de abril: Liubliana > Budapeste (saída pela manhã)

Dia 1: Liubliana

Pessoalmente, acho que Liubliana é uma das capitais mais encantadoras da Europa. Como todo o país, é pequena e fácil de andar – e andar sem rumo é realmente uma das melhores coisas para se fazer em Liubliana. O Centro Histórico é muito fofo, com casas pintadas com cores quentes e variado comércio. Lá, não deixe de visitar a Ponte do Dragão, a Igreja Rosa (Igreja Franciscana da Anunciação) e claro, o Castelo de Liubliana, que se ergue imponente no alto de uma colina.

Você pode saber tudo sobre o que ver e fazer em Liubliana clicando aqui.

Eu e a Igreja Rosa ao fundo
Centro Histórico com o Castelo ao fundo
Centro Histórico

Dia 2: Bled

Sabe aquele lugar que parece que saiu de um conto de fadas? Então, essa é Bled, uma pequena vila com arquitetura típica em volta de um lago e grandes montanhas nevadas – é uma paisagem de arrepiar.

E há muitas coisas para fazer em Bled. Dê uma caminhada ao longo do passeio do lago, apreciando a vista. Ande de barco no Lago Bled e visite a bela igreja da ilha nos tradicionais barcos Pletna. Você pode também visitar o Castelo de Bled, que fica no penhasco com vista para o lago – o castelo tem vários edifícios, museus, café e uma loja de lembranças. Ou você pode fazer caminhadas até o mirante de Ojstrica, que oferece uma vista perfeita do lago Bled e da igreja da ilha.

Lago Bled e o Castelo de Bled

Dia 3: Piran

Piran foi minha maior surpresa na Eslovênia, justamente por sua beleza. Localizada no litoral esloveno, pertinho da fronteira com a Itália, Piran tem muita influência do país vizinho na culinária, no modo de viver dos habitantes e principalmente na arquitetura – a sensação ao andar pela cidade é que você realmente está na Itália. A influência é tanta que lá, tanto o esloveno quanto o italiano são línguas oficiais, por isso, a cidade também é chamada de Pirano.

Com um dia inteiro em Piran, você tem tempo suficiente para caminhar pelas muralhas medievais, apreciar a vista da Torre do Sino e passear pelo labirinto de ruas da cidade velha.

A cidade velha vista do alto das muralhas

  • Quanto tempo ficar?

Eu fiquei três dias no país e que foram o suficiente para conhecer as três principais cidades turísticas, mas voltei de viagem com um gostinho de quero mais. Em uma rápida pesquisa na internet, você verá que a Eslovênia tem outros lugares interessantes além de Liubliana, Bled e Piran, por isso, se tiver mais tempo (e dindim, claro), reserve pelo menos 5 dias no país, principalmente se for no verão – se você está procurando algumas praias do Mediterrâneo que não estão superlotadas, pode se surpreender ao descobrir que a Eslovênia possui 46 km de costa litorânea entre a Itália e a Croácia.

Praia em Piran
  • Se localize:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *