Parque Nacional dos Lagos Plitvice – o lugar mais lindo da Croácia

O Parque Nacional dos Lagos Plitvice, na Croácia, são uma das grandes maravilhas naturais do mundo, um vale verdejante com deslumbrantes lagos em terraços e 90 cachoeiras que fazem esse parque ser muitas vezes descrito como o mais bonito da Europa.

Maior e mais antigo parque nacional da Croácia, o Plitvice cobre quase 300 quilômetros quadrados e recebe mais de 1 milhão de visitantes por ano, por isso é melhor seguir algumas dicas do Viajante Sem Fim sobre como e quando visitá-lo.

  • História do parque

Atração turística desde o final do século 19, os Lagos Plitvice são o parque nacional mais antigo da Croácia, e foram oficialmente estabelecidos em 1949. Na década de 1960, foram filmados aqui vários westerns espaguetes, incluindo ‘O tesouro em Silver Lake’.

Os lagos também foram o marco zero da guerra civil de 1991, quando os sérvios rebeldes tomaram conta da sede do parque. Foi aqui que a primeira vítima da guerra, o policial croata Josip Jović, foi morto no domingo de Páscoa daquele ano. Nos quatro anos em que os sérvios mantiveram o parque, quase não houve turismo, o que permitiu a recuperação da flora e da fauna. Agora, os croatas relembram a guerra anualmente com uma cerimônia no parque.

É desde 1979 Patrimônio Mundial da UNESCO.

  • Por que a água é tão clara?

A composição mineral de Plitvice cria uma variedade de cores impressionantes nos lagos, do verde-azulado ao azul escuro, verde claro e cinza. A água cristalina fornece uma visão brilhante de alguns peixes extremamente gordos. A água em si é um escoamento das altas montanhas e, como a água calcifica tudo o que toca, não há lama ou alga, o que mantém a água limpa. Porém, embora pareça atraente, é proibido nadar nos lagos e cachoeiras do parque, a fim de preservá-lo.

  • Onde fica?

O Parque Nacional está localizado no centro da Croácia, perto da fronteira com a Bósnia e Herzegovina, no caminho entre Zagreb e Zadar. A distância entre as duas cidades é de cerca de 1,5 a 2,5 horas, dependendo do tráfico e do modo de locomoção. Também é possível visitar os lagos a partir de Split e outras cidades costeiras.

Se você quiser chegar aos lagos logo de manhã, mas sem acordar antes do amanhecer, ficar perto do parque é sua melhor aposta. Porém, isso tende a ser um pouco mais caro do que lugares como Zagreb.

  • Como chegar a partir de Zagreb

Eu visitei Plitvice de ônibus, a partir da capital Zagreb, e a viagem foi bem tranquila. Fui até a rodoviária da cidade, me informei sobre qual guichê vendia as passagens e comprei ida e volta para Plitvice para o dia seguinte, logo pela manhã (saída as 7h). A viagem dura 2,5 h e o ônibus te deixa em um ponto em frente a Entrada 1. Para voltar, é só pegar o bus na parada do outro lado da rodovia, no sentido oposto.

Comprar passagens ida e volta juntas sai mais barato. Porém, terá que voltar com a mesma empresa – e existem uma três que fazem esse trajeto. Por isso, se informe sobre os horários de volta para não ficar muito tempo esperando no ponto.

Eu li que havia a possibilidade de comprar a passagem de volta na hora, em um quiosque em frente ao parque ou direto com o motorista. Mas no dia da minha visita, o quiosque estava fechado e todos os ônibus que passavam vinham cheios e só quem tinha passagem comprada podia embarcar. Com isso, muitos turistas tiveram que ficar esperando o próximo – e o intervalo entre os ônibus era de cerca de 2-3 horas.

Entrada 1, onde o ônibus te deixa
  • Quando ir?

Vá na primavera ou no outono para ver as maiores cachoeiras, ou no verão para ver o parque coberto de vegetação exuberante. Como a maioria dos lugares da Europa, os visitantes atingem o pico em julho e agosto, quando grande parte do continente está de férias – nessa época, o parque abre às 7h. Já a maioria das excursões termina em torno das 15h, então a partir daí, até o fechamento do parque, o movimento é muito menor.

Mas para realmente ter o parque para si, visite no auge do inverno. As cachoeiras congeladas parecem mágicas! Apenas certifique-se de usar muitas e muitas roupas quentes; a temperatura média é de 2,2 ° C em janeiro!

Eu fui no início de abril, bem no comecinho da primavera, e as temperaturas estavam baixíssimas – cheguei a pegar -1° C pela manhã, assim que cheguei no parque, e havia muito gelo no chão. Esse foi o dia mais frio da minha vida até então e também meu primeiro contato com quase “neve” hehe. Apesar da beleza de ver o parque coberto de gelo e de haver bem menos turistas, o frio tirou um pouco da minha animação.

Morrendo de frio
  • Quanto custa?

Os preços dos ingressos são baseados na estação do ano, portanto você pagará três vezes mais se for em julho e agosto em comparação com os meses de inverno. Os preços dos ingressos (Um dia) para adultos são os seguintes: 55 kuna (8 USD) no inverno; 110 kuna (16 USD) em abril-junho e setembro-outubro; e 180 kuna (26 USD) em julho e agosto.

Todos os ônibus e balsas dentro do parque estão incluídos no preço do bilhete.

Já o estacionamento está disponível próximo às entradas 1 e 2 e custa 7 kuna (1 USD) por hora.

Ônibus que circula dentro do parque

  • O que fazer no parque

Tudo, se puder. A melhor maneira de conhecer Plitvice é sair andando por suas trilhas sem um destino definido. Existem várias entradas para o parque e a circulação dentro dele pode ser feita a pé, por balsa ou por ônibus que são disponibilizados para os visitantes.

Comecei na Entrada 1, para ver a Cachoeira Grande (Veliki Slap), que tem 78 metros de altura; há também um ponto de observação no topo do canyon acima. Nas proximidades, das Cataratas Sastavcj se vê o rio Korana cair 25 metros abaixo. As Cavernas Barac e a caverna Šupljara também ficam nessa parte do parque.

Mirante da Cachoeira Grande

A maioria dos caminhos ao redor dos lagos e cachoeiras são passarelas de madeira. Isso dá uma sensação muito legal ao parque e também significa que muitas vezes você está andando diretamente sobre a água. Isso também significa que os caminhos são bastante estreitos e podem congestionar facilmente – apenas mais um motivo pelo qual você desfrutará mais da sua experiência se estiver fora da alta estação.

Além de utilizar as balsas, também é possível alugar um dos pequenos barcos a remo por uma hora, para navegar entre os lagos. São 50 kuna e o último aluguel de barco é às 17h.

Fila para acessar a balsa
  • Qual trilha devo seguir?

Existem oito trilhas diferentes e de comprimentos variados. A trilha H é popular e mostra uma boa visão do parque: tem cerca de nove quilômetros de extensão e pode ser feito em cerca de quatro horas. O Loop K (18,3 quilômetros) é a mais abrangente e leva de seis a oito horas, enquanto a trilha E pode ser feita em cerca de duas horas. A e B se concentram nos lagos inferiores e superiores, enquanto F, H e K o levam por todo o parque.

Trilha

  • Comer no parque

Existem alguns restaurantes e lanchonetes espalhados pelo parque, mas com preços relativamente caros. No dia da minha visita, devido as baixas temperaturas, nem todos os pontos de alimentação estavam abertos e os que funcionavam, estavam lotados. Por isso, em dias de temperatura amena, leve lanches e frutas e faça um belo piquenique (mas não esqueça de recolher o sue lixo).

Área para piqueniques
  • Dicas

Apenas reforçando uma informação importante: Se sua primeira pergunta for: “Posso nadar nos lagos?”, A resposta é ‘Não’. Triste, mas é para a preservação desta incrível maravilha natural. No entanto, você pode nadar no Parque Nacional Krka, que fica a cerca de 2 horas ao sul, também com incríveis cachoeiras e água verde-azulada.

Se sua próxima pergunta for: “Devo reservar um passeio?”, Minha resposta pessoal é “Não”. As trilhas são bem marcadas, os funcionários do parque são simpáticos e prestativos, e se você estiver com um grupo grande, você provavelmente não poderá apreciar a paisagem no seu próprio ritmo.

Eai, curtiu conhecer um pouco de Plitvice?

Conheça a Cidade Amuralhada de Dubrovnik

2 Respostas a “Parque Nacional dos Lagos Plitvice – o lugar mais lindo da Croácia

    1. Oie Alanna,
      Como vai?

      Realmente dá um friozinho na barriga de andar nelas, ainda mais que quando eu fui estava chovendo, por isso tomava cuidado ao andar. Mas no geral, achei seguro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *