3 dias em Roma, a Cidade Eterna

Possivelmente mais do que em qualquer outro lugar do mundo, Roma é uma verdadeira mistura de velho e novo. É uma cidade que orgulhosamente ostenta sua história antiga enquanto continua a evoluir. É também uma cidade viva e caótica – o que significa que também é populosa, suja, barulhenta e cheia de motoristas de scooter kamikaze que parecem que vão te atropelar a qualquer momento. Mas é acima de tudo encantadora, charmosa e impressionante.

E Roma tem muito mais do que apenas marcos antigos. Uma viagem aqui leva você pela história, cultura, religião e beleza da “Cidade Eterna”. Por isso este itinerário de Roma o levará às principais atrações e outros lugares nem tao conhecidos assim, mas que merecem uma visita.

Enquanto isso no Vaticano…

  • Melhor época para visitar Roma

Com uma história tão grande, não surpreende que Roma sempre tenha sido um destino turístico popular. E como em qualquer lugar que recebe muitos visitantes, decidir a melhor época para visitar Roma pode ser um desafio, ainda mais se você deseja equilibrar o clima agradável e evitar as maiores multidões. E, dada a popularidade do lugar, essas multidões podem ser bastante intensas.

Roma é inegavelmente lotada durante os meses de verão (julho e agosto), quando o clima quente é combinado com as férias europeias. Por isso, visite no meio da primavera e você ainda terá ótimas temperaturas, com multidões e filas mais fáceis de administrar – eu visitei a cidade no início da primavera, em março, e peguei temperatura amena (cerca de 22 graus).

Entre setembro e outubro é possível encontrar tarifas mais baratas, devido, principalmente, ao clima mais chuvoso. Na verdade, Roma também é um ótimo lugar para se visitar no inverno, já que a cidade não fica totalmente congelada e há muito menos turistas por perto.

Típico dia do início da primavera: sol e temperaturas agradáveis
  • Como se locomover:

O transporte público da cidade é composto de metrô, ônibus e bondes que, juntos, devem permitir que você chegue aonde precisar.

O metrô gira em torno da estação ferroviária Roma Termini, com três linhas, além de uma conexão de trem expresso para o Aeroporto Fiumicino (FCO). Há também um ônibus que vai de e para o centro da cidade e para o aeroporto.

Os bilhetes funcionam em ônibus, bondes e trens do metrô, com a tarifa mais barata sendo uma passagem de € 1,50, o que é bom para uma viagem de metrô de até 75 minutos. Também há ingressos de um dia, três dias e semanas disponíveis, todos comprados em estações de metrô e quiosques da cidade.

Estação Termini (fonte: Wikipedia)
  • Hospedagem em Roma

Com uma cidade tão grande e tantas atrações espalhadas por toda parte, descobrir onde ficar em Roma pode ser bastante difícil. Naturalmente, como principal destino turístico, a cidade tem milhares de diferentes opções de acomodação disponíveis, que cobrem todos os orçamentos e estilos de viagem.

E mesmo com a rede de transporte público da cidade, você não quer gastar todo o seu tempo em ônibus e metrô, portanto, ficar em algum lugar central ajuda.

  • Centro Histórico

O centro histórico da cidade é dividida em bairros menores, mas vamos tratá-la como uma única área para simplificar. Você está cercado pelo melhor de Roma. É obviamente a área mais cara para turistas. Mas, é difícil não amar ficar aqui.

Típica rua do Centro Histórico
  • Cidade do Vaticano e Prati

Existem várias opções de acomodação acessível perto do Vaticano, uma vez que está localizado um pouco fora de Roma. Também tende a ser menos turístico e mais residencial.

O vizinho Prati é conhecido como o bairro do “colarinho branco” de Roma, então há muitos apartamentos residenciais e lojas de luxo. Ele tem um “toque europeu moderno”, por isso não é um lugar super popular para turistas (o que significa uma vibração mais descontraída).

  • Testaccio

Localizado na parte sul de Roma, o bairro Testaccio é um excelente lugar para ficar com uma vibração verdadeiramente local. A área é conhecida por ter a melhor comida de Roma e preços razoáveis, pois fica bem fora da zona turística. Há uma grande vibração juvenil aqui pela qual você se apaixonará. Em compensação,  fica um pouco afastado do centro.

  • Trastevere

Se você procura um lugar mais local sem precisar viajar muito para fora do centro de Roma, sugiro ficar no bairro de Trastevere. Este enclave boêmio da moda é repleto de charme do velho mundo, excelentes restaurantes, bares e uma atmosfera animada de vida noturna.

Rua do bairro de Trastevere às margens do Rio Tibre
  • Termini

Eu fiquei hospedado em um hostel próximo à estação ferroviária Termini e amei – facilita o check-in e o check-out, é muito bem conectado ao transporte público e há muitas opções de hospedagem barata. Porém, a região não é uma das mais seguras, por isso, atenção redobrada com seus pertences.

  • Bairro Judeu

Embora bastante pequeno, o Bairro Judeu é um adorável bairro localizado centralmente, repleto de excelentes restaurantes tradicionais.

  • Monti

Perto do Coliseu, você encontrará o bairro de Monti. Este costumava ser o distrito da luz vermelha de Roma, mas hoje em dia é uma área muito moderna que ainda parece autêntica e um pouco desconhecida pelos turistas. O bairro tem uma vibração jovem e opções sólidas de vida noturna.

Ruas do bairro de Monti
  • Roteiro

Em uma cidade tão cheia de ícones da antiguidade e da fé cristã, é difícil saber para onde ir primeiro. Obviamente, seus próprios interesses governarão suas escolhas, mas existem certos lugares que são marcos quase obrigatórios da Itália e de toda a Europa , como o Coliseu e o Panteão. Mas aqui vale uma dica: tente variar suas experiências ao explorar Roma, para não visitar muitos locais antigos ou igrejas seguidas. E intercale essas atrações mais sérias com algumas que são simplesmente ícones turísticos – a Escadaria Espanhola e o local em que todos os turistas devem jogar uma moeda, a Fonte de Trevi.

Roma é tão grande que pode te sobrecarregar, portanto, mesmo o turista mais dedicado deve levar algum tempo para relaxar e apreciar a “dolce vita” em um parque ou café na calçada.

Cidade do Vaticano: um dos lugares com mais aglomeração de turistas

1º dia

Não faz sentido perder tempo depois de chegar em Roma.

Por isso, deixe o primeiro dia reservado para o centro histórico, onde estão suas maiores atrações, inciando o roteiro no Coliseu:

  • Coliseu

Mais famoso e visitado monumento de Roma, o Coliseu é o maior anfiteatro já construído e acredita-se que mais de 500 mil pessoas e 1 milhão de animais já morreram nas sanguinárias batalhas, execuções duelos e lutas ali realizadas.  E mais de 2 mil anos depois de sua construção, essa imensa estrutura, chamada em italiano de Colosseo, continua impressionando por sua rica história, imponência e beleza – tanto que integra a lista de Patrimônios da Humanidade pela UNESCO.

Saiba tudo sobre como visitar o Coliseu aqui, incluindo como comprar os ingressos antecipadamente, o que é fundamental para otimizar seu tempo.

  • Fórum Romano

A impressionante praça que era o principal espaço público da Roma Antiga abriga atualmente inúmeras construções e ruínas de diferentes períodos da história. O espaço é grande, por isso, reserve um tempo maior para ele.

A entrada no Fórum está incluída como parte do bilhete combinado com o Coliseu, que também incorpora o Monte Palatino, nossa próxima atração:

  • Palatino

O Monte Palatino é o local onde, segundo a lenda, Romulus e Remus fundaram a cidade de Roma. Talvez não seja tão conhecido como o Coliseu ou o Fórum, mas é um local cheio de interessantes ruínas.

Ruínas do Palatino
  • Via dei Fori Imperiali

Famosa avenida construída por Benito Mussolini para que houvesse uma ligação entre a Piazza Venezia e o Coliseu, passando por inúmeros sítios arqueológicos.

  • Fórum e Mercado de Trajano

Obra do arquiteto Apolodoro de Damasco, esse foi um dos últimos fóruns imperiais de Roma, tendo sido inaugurado no ano 112. Faz parte do complexo o Mercado de Trajano, que abriga o Museu dos Fóruns Imperiais.

Mercado de Trajano
  • Altar da Pátria

Esse grandioso monumento em homenagem ao rei Vitório Emanuel II é uma das mais conhecidas e polêmicas construções da cidade. Inaugurado em 1911, o monumento foi alvo de inúmeros protestos e ainda hoje divide opiniões já que para sua construção, inúmeras ruínas romanas foram destruídas, sem falar que sua arquitetura destoa das outras ao redor. Por essas e outras polêmicas, o Altar da Pátria é chamado de “Bolo de Noiva”. Abriga o Museu da Unificação Italiana e um mirante 360°.

  • Teatro Marcello

Enquanto o Coliseu foi usado para muitos eventos, incluindo lutas de gladiadores, este antigo teatro ao ar livre estava mais focado em apresentações artísticas de música e dança.

  • Campidoglio

Atrás do Altare della Patria, você encontrará essa praça no topo da colina de Campidoglio. A praça é cercada por belos edifícios renascentistas e uma grande escadaria. Não deixe de visitar os Museus Capitolinos.

  • Ilha Tiberina

A mais famosa ilha do Rio Tibre tem belas construções históricas, incluindo hospital e duas igrejas. Nesse lugar existia o Templo de Esculápio, deus grego da Medicina.

2° Dia

Um dos pontos positivos de visitar Roma é que você pode conhecer um novo país sem sair da cidade. Pois é, o Vaticano, menor estado independente do mundo, é facilmente acessado a pé ou por metrô e nenhuma visita a Roma está completa sem visitá-lo.

As três principais atrações da Cidade do Vaticano são os Museus do Vaticano, Capela Sistina (parte dos Museus do Vaticano) e a Basílica de São Pedro.

  • Museus Vaticanos

É aconselhável que você comece o seu dia nos Museus do Vaticano, pois eles são enormes e com o passar das horas vai ficando cada vez mais cheio. Fazem parte do complexo o Museu Pio-Clementino, Museu Chiaramonti, Museu Gregoriano Etrusco, Museu Gregoriano Egípcio, Museu Missionário-Etnológico, Museu Gregoriano Profano e Museu Pio-Cristão, Coleção de Arte Religiosa Moderna e Contemporânea e a Pinacoteca Vaticana. Ainda fazem parte do conjunto as salas de Rafael, a Galeria dos Candelabros, a Galeria dos Mapas e a famosa Capela Sistina, entre outros espaços que abrigam uma das mais ricas coleções de arte do mundo.

Eu fiquei cerca de 4 horas nos Museus Vaticanos e o ingresso foi comprado antecipadamente, justamente para facilitar a entrada (20 euros).

  • Praça de São Pedro

Saindo do museu, siga em direção à Praça de São Pedro, projetada por Bernini no século XVII em estilo clássico. Cercada por grandiosas colunas, a praça tem duas fontes e um obelisco egípcio ao centro, onde estão pedaços originais da cruz de Jesus Cristo.

  • Basílica de São Pedro

E o que dizer de São Pedro? Maior e mais importante espaço religioso da Igreja Católica Romana, a Basílica de São Pedro impressiona pelo seu tamanho: são 23 000 m² ou 2,3 hectares, capacidade para abrigar mais de 60 mil pessoas e uma gigantesca cúpula que domina o horizonte de Roma. Localizada na Praça de São Pedro, no Estado do Vaticano, a basílica começou a ser construída em 1506 no lugar de uma antiga igreja idealizada pelo Imperador Constantino, e foi concluída em 1626, a partir de um projeto de Donato Bramante. Já seu nome se deve porque sob o altar principal está enterrado São Pedro.

  • Castelo Sant’Angelo

Originalmente construído como mausoléu para o imperador Adriano, o Castel Sant’Angelo, também conhecido como o túmulo de Adriano, fica às margens do rio Tibre e é um dos edifícios mais antigos de Roma. Desde a sua construção até a presente data, evoluiu de túmulo, fortaleza, castelo e, finalmente, museu. Hoje é aberto ao público e você pode subir até o topo para ter vistas deslumbrantes da cidade.

Saindo do Castelo, atravesse o Rio Tibre e siga em direção à Piazza Navona:

  • Piazza Navona

Uma das mais lindas e populares praças de Roma, a Piazza Navona foi construída sobre o antigo Estádio de Domiciano, cujo formato ainda pode ser visto na disposição da praça. É caracterizada pela Igreja de Sant’Agnese e por suas fontes: Fontana di Nettuno (1574), na área norte da praça, e a Fontana del Moro (1576), na área sul, e a Fontana dei Quattro Fiumi, construída em 1651 por Bernini.

  • Panteão

O incrível Panteão de Roma (Pantheon ou Panteão de Agripa) é um dos pontos turísticos mais famosos da Itália. E não é para menos. Construído no auge do poder e riqueza do Império Romano, são mais de 2 mil anos de história extremamente bem preservados. Mas há muito mais neste edifício do que sua perfeição digna de cartão postal!

Saiba mais aqui.

  • Basílica de Santa Maria Sopra Minerva

Essa é a única igreja gótica original de Roma. Já seu nome é uma referência ao templo dedicado à deusa egípcia Ísis, que era erroneamente identificada com a deusa Minerva, e que ficava no atual lugar da igreja.

3° Dia

  • Basílica de São João de Latrão e escada santa

Comece o roteiro do terceiro dia pela grandiosa Basílica de São João de Latrão, que é a catedral da Diocese de Roma, a sé episcopal do Papa e a igreja mãe ecumênica, o que a torna a mais importante das quatro basílicas papais, incluindo a Basílica de São Pedro – por isso recebe o titulo de arquibasílica.

Bem ao lado fica a Igreja de San Lorenzo in Palatio ad Sancta Sanctorum, primeira capela pessoal dos papas. Nessa igreja está a Escada Santa, que segunda a tradição católica, é a escada onde Jesus Cristo passou durante a Paixão e que foi trazida para Roma por Santa Helena no século IV.

  • Igreja de Santa Maria degli Angeli e dei Martini

Saindo da basílica de Latrão, se dirija até a Estação San Giovanni do Metrô e desça na Estação Republica para visitar a Igreja de Santa Maria degli Angeli e dei Martini, construída dentro do frigidário das Termas de Dioclesiano. Inaugurada em 1561, é uma das mais belas igrejas da cidade.

Bem em frente fica a Piazza de la Reppublica.

Piazza de la Reppublica
  • Basílica de Santa Maria Maggiore

Não muito longe fica a Basílica de Santa Maria Maggiore. Com construção iniciada no de 432, essa foi a primeira igreja do Ocidente dedicada a Maria em honra a Jesus Cristo e é atualmente a maior igreja mariana de Roma – daí o maior do nome.Sua importância é tanta que Na liturgia católica, há uma celebração dedicada à Dedicação de Basílica de Santa Maria Maior.

  • Palazzo e Piazza del Quirinale

Esse grandioso edifício já foi palácio papal e atualmente é a residência oficial do Presidente da Itália. Bem em frente fica a Piazza del Quirinale, onde está a belissíma Fonte dos Dióscuros e o Obelisco Quirinal.

  • Fontana de Trevi

A mais famosa fonte de Roma (e possívelmente do mundo!), a Fontana de Trevi arrasta milhões de turistas para jogar uma moeda em suas águas, pois, diz-se que, se você jogar a moeda com a mão direita sobre o ombro esquerdo, retornará à cidade de Roma um dia.

  • Piazza di Spagna (Escadaria Espanhola)

Esta elegante escadaria leva da igreja de Trinità dei Monti até uma fonte na Praça de Espanha, abaixo. Tornou-se , com o passar do tempo, um local de encontro bastante animado para os locais, bem como um ponto turístico comum para quem o viu no filme Roman Holiday, com Audrey Hepburn.

  • Villa Borghese

Do alto desse parque se tem uma vista absolutamente deslumbrante da praça, além de ser um dos melhores lugares para assistir o pôr do sol. Se você tem tempo de sobra antes do pôr do sol, use esse tempo explorando esse que é um dos maiores parques públicos de Roma

  • Piazza del Popolo

É uma das maiores e mais visitadas praças de Roma e marca o início (ou o fim) das três principais ruas da cidade! Maravilhe-se com o enorme obelisco egípcio no centro da praça, entre nas igrejas de aparência idêntica Santa Maria dei Miracoli e Santa Maria em Montesanto e admire as obras de Da Vinci em um museu dedicado a ele.

Santa Maria dei Miracoli e Santa Maria em Montesanto
  • Se localize

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *