Um dia no Centro Histórico de São Luís Maranhão

Única cidade brasileira fundada por franceses, em 1612, São Luís foi posteriormente invadida por holandeses e por fim colonizada pelos portugueses. E boa parte desse legado colonial pode ser observado no Centro Histórico de São Luís, um dos maiores do país e o maior conjunto arquitetônico tipicamente português fora de Portugal. São inúmeras ruas com casarões, palácios e igrejas que nos enchem os olhos e que nos dá a impressão de que a cidade parou no tempo.

Devido ao clima quente e úmido da região, as construções de taipa, típicas da época, se tornavam pouco resistentes. A solução encontrada foi o uso de azulejos – trazidos de Portugal e pintados a mão – na impermeabilização das fachadas de taipa, se tornando a principal característica arquitetônica do centro histórico. As plantas dos casarões são em sua maioria em “L” ou em “U”. Mais de 3.000 desses imóveis estão tombados pelo patrimônio histórico estadual, e 1.400 pelo IPHAN, desde 1974. Parte desse sítio também foi declarado Patrimônio Mundial pela UNESCO em 1997. Apesar de sua importância histórica, arquitetônica e cultural, tive a impressão que a região está abandonada.  Em algumas ruas, há bastante lixo no chão e muitos casarões estão fechados e à espera de uma restauração urgente. Havia também pouco comércio funcionando e movimentação nas ruas.

  • Atrações:

  • Palácio dos Leões

tual sede do governo do estado do Maranhão, o Palácio dos Leões foi primeiramente inaugurado em 1626 para ser residência do governantes. Com o passar dos anos, passou por inúmeras ampliações e reformas que descaracterizou boa parte da estrutura original – atualmente mantém aspectos neoclássicos em sua fachada.

Seu nome faz referência aos dois leões esculpidos na entrada principal do edifício.

  • Avenida Pedro II

Essa histórica avenida começou a ser urbanizada em 1821 pelo Marechal Bernardo da Fonseca, tendo ganhado sua forma atual em 1904, após inúmeras intervenções. Nessa época ainda se chamava Avenida Maranhense.

  • Catedral Metropolitana

A Catedral de Nossa Senhora da Vitória, mais conhecida como Catedral Metropolitana ou ainda Igreja da Sé, é a sede da arquidiocese de São Luís e a igreja mais importante da cidade. Fundada em 1677, a igreja foi demolida séculos depois e reconstruída séculos depois. Sua bela fachada com torres foi concluída no início do século XX.

  • Palácio Episcopal

O palácio foi construído para abrigar o antigo Colégio de Nossa Senhora da Luz, pertencente a Companhia de Jesus. Sua características neoclássicas foram colocadas no século XIX e desde 2014 o segundo piso do palácio funciona como sede do Museu de Arte Sacra, que em 13 salas apresenta mais de 400 peças de diferentes períodos de nossa história.

  • Praça Benedito Leite

Antigo Largo do João Velho, a área foi urbanizada em 1820 com o objetivo de ser um jardim, recebendo o plantio de árvores e plantas. Em 1906, o governador Benedito Leite desenvolveu um ambicioso projeto de ali construir o Panteon Manhanense, com muitas árvores, jardins e esculturas para homenagear nomes importantes da história do estado. O projeto, no entanto, não foi concluído e a praça acabou recebendo o nome do referido governador na data de seu falecimento.

  • Palácio da Justiça

O Palácio da Justiça Clóvis Bevilacqua foi inaugurado em 1948 pelo então presidente Eurico Gaspar Dutra.

  • Palácio La Ravardière

Foi construído em 1689, mas passou por inúmeras reformas e alterações ao longo dos séculos. Seu nome presta homenagem a Daniel de la Touche, senhor de La Ravardière, considerado fundador da cidade, em 1612 – um busto em sua homenagem se encontra em frente ao palácio.

É atualmente sede da Prefeitura Municipal.

  • Beco Catarina Mina

Oficialmente Rua Djalma Dutra, esse pequeno beco é popularmente chamado de cCatarina Mina, em homenagem a escrava Catarina Rosa Pereira de Jesus. Conhecida por sua beleza, ela era natural da região de Costa da Mina (Guiné), tendo sido trazida ao Brasil no século XIX. e que conseguiu comprar sua alforria com muito suor, através de seu trabalho.

  • Rua Portugal

A mais famosa e célebre rua do Centro Histórico é a que melhor sintetiza a arquitetura colonial maranhense em São Luíz, com grandiosos casarões azulejados, museus, lojas e muita arte. Antigamente chamada de Rua do Trapiche, recebeu o nome Portugal em 1906, em homenagem a visita do navio de guerra À Pátria, da Real Marinha Portuguesa.

  • Museu do Reggae

Primeiro museu do reggae aberto fora da Jamaica e o segundo no mundo, esse museu foi aberto em janeiro de 2018 com o intuito de preservar as tradições do ritmo musical no Maranhão – não é atoa que São Luís é considerada a Jamaica brasileira. O ambiente abriga cinco salas de exposições: uma dedicada aos nomes do reggae maranhense; e as outras quatro homenageiam os grandes clubes de reggae da cidade.

  • Teatro João do Vale

Inaugurado em 2001 em um antigo depósito de açúcar, o teatro presta homenagem ao compostor maranhense João do Vale. Tem capacidade para 400 pessoas.

  • Praça João Lisboa

Recebeu esse nome em 1901 em homenagem ao jornalista e escritor João Francisco Lisboa. Já em 1918 foi inaugurado um grande monumento em sua homenagem, no centro da praça, de
autoria do escultor francês Jean Magrou – as cinzas do escritos estão ali depositadas.

  • Igreja do Carmo

Essa imponente igreja barroca foi originalmente construída em 1627 como parte da Ordem dos Capuchinhos. Anexo está o Convento do Carmo.

  • Teatro Arthur Azevedo

Principal casa de espetáculos da cidade, o Teatro Arthur Azevedo presta homenagem ao dramaturgo maranhense, falecido em 1908 – antes, seu nome era Teatro São Luiz. Inaugurado em 1817 em estilo neoclássico, tem capacidade para mais de 750 pessoas.

  • Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos

Construída por escravos no século XVII, essa bela igreja barroca leovu cerca de sessenta anos para ser concluída.

  • Capela de Santa Teresa

A capela de Nossa Senhora da Anunciação e Remédios, anexada ao Colégio Santa Tereza,  guarda em seu interior um belo acervo de arte sacra, como a imagem barroca de Nossa Senhora da Conceição, conhecida como “Nossa Senhora das Missões”, esculpida em 1700.

  • Casa do Maranhão

Inaugurado em 2002, a Casa do Maranhão é um dos mais importantes museus folclóricos do Nordeste e tem por objetivo divulgar a história da cultura maranhense.

Está instalado no antigo Prédio da Alfândega, construído em 1873.

  • Mercado das tulhas

O mais tradicional mercado popular do centro histórico foi construído no século XIX, sendo especializado em produtos maranhenses: produtos gastronômicos, artesanato,comidas e bebidas típicas, entre outros.

  • Cais da Sagração

Esse histórico cais servia como principal porto de São Luís quando foi construído, em 1841. Com o passar dos anos, foi perdendo sua importância e hoje é uma importante área de convívio na Avenida Beira-Mar.

Como sua construção foi iniciada no mesmo ano da coroação de Dom Pedro II como Imperador do Brasil, o nome Cais da Sagração foi escolhido para homenagear o monarca.

  • Rua 28 de Julho

Com seus imponentes casarões e escadarias, essa é, na minha humilde opinião, a mais bela rua do Centro Histórico. Eu fiquei hospedado nessa rua, na Pousada Portas da Amazônia.

  • Como chegar?

O Aeroporto Internacional e a Rodoviária de São Luís ficam há cerca de 20-30 minutos do Centro Histórico, dependendo do transito. Já a zona hoteleira da Ponta D’Areia fica há apenas 10 minutos.

A maioria das ruas internas são fechadas para pedestres e as liberadas para carros são estreitas, por isso, a melhor maneira de andar pelo área é a pé.

  • Quanto tempo ficar?

Para visitar todas as atrações com calma, reserve ao menos um dia inteiro para o Centro Histórico.

  • Se localize:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *