Viagem pela Eslovênia: tudo o que você precisa saber

Ah, linda Eslovênia! Este é um dos países mais incríveis da Europa. É tão pequeno, mas tem tudo e você certamente não ficará entediado durante a sua visita.  Sua localização entre a Áustria e os Bálcãs, oferece uma combinação única de vibrações do Leste Europeu e do Mediterrâneo. A natureza também foi muito generosa para a Eslovênia, colocando todas as maravilhas aqui – é o país mais rico em água da Europa, pois está cheio de lagos, rios e um vasto curso de água subterrâneo, que é de importância global. Enquanto isso, mais da metade da área terrestre de 20.273 quilômetros quadrados está repleta de florestas.

Além disso, em apenas um dia, você pode nadar no Mar Adriático pela manhã e caminhar nos Alpes Eslovenos à tarde, e emendar uma visita à segunda maior caverna do mundo. Mas eu não recomendaria essa loucura: é melhor visitar a Eslovênia com calma e aproveitar o lugar e todas as atrações do país ao máximo!

Cidade velha de Piran vista das muralhas
Igreja da Anunciação em Liubliana
Castelo de Bled
  • Informações práticas

Nome: República da Eslovênia
Capital: Liubliana (Ljubljana)
Maiores cidades: Liubliana, Maribor, Celje e Kranj
Moeda: Euro
População (2016): 2 milhões (143° mundo)
IDH (2017): 0.896 (25° mundo)
Idioma oficial: Esloveno (a língua eslovena em um primeiro momento pode assustar, mas nos lugares turísticos é muito fácil se comunicar em inglês, então não se preocupe).

  • Breve História

Com o final da II Guerra Mundial, as repúblicas da Sérvia, Croácia, Montenegro, Bósnia e Herzegovina, Macedônia e Eslovênia formaram a República Socialista Federativa da Iugoslávia. Com o fim da Guerra Fria e o colapso do comunismo, as antigas federações desse bloco passaram por uma grande onda nacionalista e a Eslovênia declarou sua independência em 1992. Desde então, se tornou referência mundial em qualidade de vida, saúde e educação, sendo uma economia altamente desenvolvida, com a segunda maior renda per capita nos países eslavos e o país mais desenvolvido e rico da antiga Iugoslávia, com crescimento anual em cerca de 7%. Em 2007, se tornou o primeiro ex-país comunista a ingressar na zona do euro – antes de 2007, a moeda do país era o tolar.

Muralhas medievais em Piran: resquícios do passado esloveno
Arquitetura típica eslovena em Bled
Modernos edifícios em Liubliana
Muralhas medievais de Piran
  • Documentação e visto

Brasileiros não necessitam de visto para entrar no país – para estadia de até 90 dias, é necessário apenas o passaporte válido por no mínimo três meses depois da data de entrada ao país.

É necessário também apresentar um seguro de viagem internacional que cubra despesas médicas básicas. Não há vacinas obrigatórias – mas se tiver sua carteira de vacinação internacional, não deixe de levá-la.

  • Moeda e custo de vida

A crise da zona do euro atingiu a Eslovênia com força no final dos anos 2000, o que resultou em preços razoavelmente baixos em comparação com os países vizinhos. Para os mochileiros que estão sempre à procura de destinos baratos, a Eslovênia é uma ótima escolha – mas vale a pena pesquisar. Uma refeição casual custa cerca de 7 euros, uma cerveja custa cerca de 2,50 euros e você pode saborear um excelente café por apenas 1,30 euro.

  • Quando ir

O verão é uma ótima época para visitar a Eslovênia, mas também é o período mais movimentado e caro para viagens. Primavera e verão são excelentes, já que as temperaturas são agradáveis e há menos turistas – imagina ver o Lago Bled com as cores do outono. Inverno é baixa temporada, com temperaturas abaixo de zero em alguns pontos e neve. Mas também proporciona belas vistas e a possibilidade de esquiar em vários parques nacionais pelo país.

Picos nevados na região de Bled
Litoral esloveno em Piran
  • Segurança

O país tem baixa taxa de criminalidade e a violência urbana é quase inexistente. Porém, como em qualquer lugar, é bom tomar alguns cuidados, até porque turistas são sempre alvo fácil de pessoas mal intencionadas. Então, sempre fique de olho em seus pertences e não dê bobeira, principalmente em áreas movimentadas. Tomando esses cuidados, tenho certeza que sua viagem será perfeita, assim como a minha foi.

  • Como se locomover e onde se hospedar

Como é um país relativamente pequeno, é possível ir de um lado para o outro sem muito trabalho. A Eslovênia tem uma rede ferroviária centralizada em Liubliana e que conecta-se à Áustria e à Croácia, mas infelizmente não à Itália. O país também é servido por uma boa rede de ônibus que atinge partes que a rede de trens não. A infraestrutura é excelente, com estradas duplicadas, pavimentadas e bem sinalizadas, além de ampla oferta de serviços. Também vale citar as ciclovias: eu nunca vi uma cidade com tantas ciclovias e consequentemente com tantos ciclistas em todas a minha vida.

Estação Ferroviária de Liubliana
Rodoviária de Piran
Rodoviária de Liubliana

A Eslovênia também tem boas opções de hospedagens, com pousadas, hostels, hotéis estrelados e Resorts (principalmente no litoral). Eu utilizei Liubliana como base para viajar pelo país e afim de evitar maiores gastos com locomoção, reservei um hostel não muito longe da Rodoviária, o Most Hostel. Localizado em frente a Ponte do Dragão, esse hostel tem avaliação 8.0 no booking.com e 3 diárias me custou R$150,00 – valor vigente em abril de 2019.

Hotel de Luxo nos arredores de Piran: o litoral da Eslovênia é muito movimentado durante a alta temporada e há muitas opções de hospedagem
  • Como foi a minha viagem

Eu cheguei na Eslovênia vindo de Zagreb, na Croácia – viagem de cerca de 2 horas em um ônibus da FlixBus. Depois de três dias super proveitosos no país, dei continuidade na minha eurotrip, partindo para Budapeste – viagem de 8 horas também com a FlixBus.

  • Roteiro

Terça, 16 de abril: Piran
Quarta, 17 de abril: Bled
Quinta, 18 de abril: Liubliana
Sexta: 19 de abril: Liubliana > Budapeste (saída pela manhã)

Dia 1: Liubliana

Pessoalmente, acho que Liubliana é uma das capitais mais encantadoras da Europa. Como todo o país, é pequena e fácil de andar – essa é realmente uma das melhores coisas para fazer em Lubliana. O Centro Histórico é muito fofo, com casas pintadas com cores quentes e variado comércio. Lá, não deixe de visitar a Ponte do Dragão, a Igreja Rosa (Igreja Franciscana da Anunciação) e o claro, o Castelo de Liubliana, que se ergue imponente no alto de uma colina.

Você pode saber tudo sobre o que ver e fazer em Liubliana clicando aqui.

Eu e a Igreja Rosa ao fundo
Centro Histórico com o Castelo ao fundo
Centro Histórico

Dia 2: Bled

Sabe aquele lugar que parece que saiu de um conto de fadas? Então, essa é Bled, uma pequena vila com arquitetura típica em volta de um lago e grandes montanhas nevadas – é uma paisagem de arrepiar.

E há muitas coisas para fazer em Bled. Dê um passeio ao longo do passeio do lago, apreciando a vista. Ande de barco no Lago Bled e visite a bela igreja da ilha nos tradicionais barcos Pletna. Você pode também visitar o Castelo de Bled, que fica no penhasco com vista para o Lago Bled – castelo tem vários edifícios, museus, café e uma loja de lembranças. Ou você pode fazer caminhadas até o mirante de Ojstrica, que oferece uma vista perfeita do lago Bled e da igreja da ilha.

Lago Bled e o Castelo de Bled

Dia 3: Piran

Piran foi minha maior surpresa na Eslovênia, justamente por sua beleza. Localizada no litoral esloveno, pertinho da fronteira com a Itália, Piran tem muita influência do país vizinho na culinária, no modo de viver dos habitantes e principalmente na arquitetura – a sensação ao andar pela cidade é que você realmente está na Itália. A influência é tanta que lá, tanto o esloveno, quanto o italiano, são línguas oficiais, por isso a cidade também é chamada de Pirano.

Com um dia inteiro em Piran, você tem tempo suficiente para caminhar pelas muralhas medievais, apreciar a vista da Torre do Sino e passear pelo labirinto de ruas da cidade velha.

A cidade velha vista do alto das muralhas

  • Quanto tempo ficar?

Eu fiquei três dias no país e que foram o suficiente para conhecer as três principais cidades turísticas, mas voltei de viagem com um gostinho de quero mais. Em uma rápida pesquisa na internet, você verá que a Eslovênia tem outros lugares interessantes além de Liubliana, Bled e Piran, por isso, se tiver mais tempo (e dindim, claro), reserve pelo menos 5 dias no país, principalmente se for no verão – se você está procurando algumas praias do Mediterrâneo que não estão superlotadas, pode se surpreender ao descobrir que a Eslovênia possui 46 km de costa entre a Itália e a Croácia.

Praia em Piran
  • Se localize:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *