Explorando a cidade amuralhada de Dubrovnik, Croácia: dicas, fotos e roteiro de atrações

Uma das mais importantes cidades da região dos Bálcãs, Dubrovnik é chamada de “Pérola do Adriático” devido a sua beleza e história e desde 1979 tem sua cidade amuralhada tombada como patrimônio da humanidade pela UNESCO. É também uma das cidades medievais mais conservadas e visitadas da Europa, servindo de cenário para inúmeras cenas de Game of Thrones. Ou seja, atrações não faltam nesse lugar mágico.

Neste post, vou comentar apenas as atrações localizadas dentro das muralhas.

  • A história:

Segundo a tradição, Dubrovnik surgiu no século VII com o nome de Ragusa, cidade-estado com grande importância por ser um entreposto comercial na região do Mar Adriático. Séculos depois, Ragusa enriqueceu e se tornou uma das maiores potências da Europa, chegando até a rivalizar seu poderio com Veneza.

Até 1808, Ragusa foi um estado livre com leis e instituições inovadoras para a época. Foi por exemplo uma das repúblicas pioneiras na regulamentação de leis sanitárias, na implementação de serviço médico e na criação de farmácias, orfanatos, hospitais e asilos. Já a escravatura foi abolida em 1418.

  • As muralhas:

Junto com a riqueza de Ragusa, vieram as ameaças de invasão tanto do oriente quanto do ocidente e a necessidade de se construir fortalezas e muralhas com o objetivo de proteger a cidade. As grandiosas muralhas de Dubrovnik foram construídas entre os séculos XII e XVII, tem em média 25 metros nas partes mais altas, cerca toda a cidade velha e tem quase 2 km extensão. A espessura varia entre quatro e seis metros nas partes viradas para a cidade, sendo mais estreita nas partes viradas para o mar (chega a dar um friozinho na barriga). Bastante danificadas durante os conflitos de separação da antiga Iugoslávia, elas foram reconstruídas e abertas para a população em forma de circuito.

A imponente muralha

 

Para andar pelas muralhas, é necessário comprar um ticket no valor de 200 kunas na bilheteria que fica ao lado da Igreja de St. Saviour. O valor é alto, mas vale a pena. Andar pelas muralhas é uma volta ao passado, oferece as mais belas vistas da cidade e rende ótimas fotos. Foi o lugar que mais gostei em Dubrovnik e fiquei facilmente duas horas lá em cima.

Durante o verão, é aconselhável levar um chapéu, usar protetor solar e beber bastante líquido, já que o sol é bem forte e não há partes cobertas na muralha.

Além das muralhas, o complexo de proteção incluí cinco bastiões, doze torres retangulares, quatro fortes e uma grande fortaleza:

Forte Minčeta: situada na parte norte das muralhas, é a mais alta das fortificações e oferece uma visão completa da old town.

A vista do alto do Forte

Forte de St. John: localizado na parte sul, foi construído entre 1346 e 1557 para proteger o porto. Atualmente abriga o Museu Marítimo e o Aquário de Dubrovnik. É também conhecido como Forte Sveti Ivan. 

Forte Revelin: Foi construído entre 1500 e 1538 em forma de trapézio afim de proteger o porto e a porta de Ploce.

Forte Bokar: considerada uma das mais antigas torres da Europa nesse estilo arquitetônico, foi construída para proteger o Pile Gate.

Olha eu no Forte Bokar

Forte Lovrijenac: localizada sobre um grande rochedo de 32 metros de altura, é a única das fortalezas que se situa fora das muralhas (sendo facilmente acessado através de uma escadaria). Imponente, oferece a mais belas vista das muralhas voltada para o mar.

  • Dentro das muralhas:

São três os portões que dão acesso à Old Town, sendo o Pile Gate o mais conhecido e usado deles – a maioria dos ônibus urbanos, transfers e veículos vinculados à agências de viagens fazem paradas em frente a esse portão. Outro portão famoso é a Porta de Ploce – lá no finalzinho do post tem um mapa com os acessos à cidade velha marcados.

Pile Gate
Porta de Ploce

Para acessar o Pile Gate, atravesse uma pequena passarela sobre um jardim e chegue a uma bonita praça, já dentro das muralhas. Nela, se encontram a Fonte Onofrio, construída em 1438; a Igreja de St. Saviour, construída em 1528 e dedicada à Jesus Cristo; e o Monastério Franciscano. Construído no século XIII, o Monastério abriga a Igreja de São Francisco e uma das torres mais altas da cidade velha.

Praça com a Fonte Onofrio no meio
Fonte Onofrio
Igreja de St. Saviour (esquerda) e o Monastério Franciscano (direita)
Igreja de São Francisco, dentro do Monastério Franciscano

Ainda dentro do monastério se encontra a Male braće, farmácia que dizem ser a mais antiga da Europa, fundada em 1317 – mais uma prova de que Dubrovnik adotou previamente instituições e serviços modernos.

A farmácia funciona hoje como um museu e seu acesso se dá por uma pequena travessa entre o monastério e a igreja de St. Saviour. Já do lado de fora do Monastério Franciscano, em uma de suas paredes, muitos turistas fazem a brincadeira de subir em cima de uma pedra com formato de cara (que é a calha de escoamento de água do prédio) para fazer um pedido.

Farmácia, hoje um museu

Saindo do Monastério, caminhe pela Placa (também conhecida como Stradun) principal avenida da cidade velha, onde se encontram muitas lojas e restaurantes. Ela se estende do Pile Gate até a Praça Luža e a imponente Torre do Relógio

Stradun vista da Muralha
Stradun
Praça Luža
Torre do Relógio

Além da Torre do Relógio, nessa mesma praça onde termina a Stradun se localizam:

Palácio do Reitor, construção que mistura os estilos gótico, bizantino e barroco. Foi antiga sede do Reitor da República de Ragusa do século XIV até 1808, além de ter sido Administração do Estado, a casa de Vigilância e a Prisão. Atualmente o palácio é palco do Festival de Verão de Dubrovnik.

Palácio do Reitor

Igreja de São Brás, igreja barroca construída em 1715 pelo arquiteto veneziano Marino Gropelli.

Igreja de São Brás

Palácio Sponza, construído entre 1516 e 1522 para abrigar departamentos públicos e que atualmente abriga o arquivo histórico da cidade.

Palácio Sponza

Palácio Grada, onde funciona a prefeitura municipal.

Fonte em frente ao Palácio Grada

Catedral de Dubrovnik, destruída e reconstruída várias vezes ao longo dos séculos, é dedicada à Nossa Senhora da Assunção.

 

Catedral de Dubrovnik

Ainda na Praça Luža, existem passagens que dão acesso ao Porto de Dubrovnik, de onde saem os barcos para quem quiser conhecer o litoral ao redor da cidade. 

É no porto que se localiza a Forte de St. John, que abriga atualmente o Museu Marítimo e o Aquário de Dubrovnik, com uma grande quantidade de peixes ornamentais.

O porto visto das muralhas. Repare à direita o Forte St. John, onde fica o Museu Marítimo e o Aquário
Aquário

Atrás da Catedral fica a Praça Gundulić e o monumento em homenagem à Ivan Gundulić – nessa praça é realizada uma tradicional feira aos finais de semana. Na rua ao lado você verá uma grandiosa escadaria, onde se localiza o Museu de História Natural. Já no alto da escadaria fica a bela Igreja de São Inácio.

Praça Gundulić

Igreja de São Inácio

Outras igrejas que visitei na cidade velha foram a Igreja de São José, São Nícolas, Santa Anunciação e São Domingos.

Igreja de São Nícolas
Santa Anunciação
Igreja de São Domingos e o Monastério Dominicano

Outras atrações na old town são o Museu Etnográfico, a Galeria de Arte Dulcic Masle Pulitika e claro, as antigas ruas medievais, que são uma atração à parte.

Museu Etnográfico
As ruas de Dubrovnik
  • Se localize:

Como pode ver,  cidade velha não é tão grande, mas é cheia de coisas para ver e fazer, então reserve pelo menos um dia para visitar as atrações dentro da cidade amuralhada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *